Parceria da OIT combate trabalho infantil no cultivo de tabaco do Rio Grande do Sul

Iniciativa da Organização Internacional do Trabalho fortalece ações de educação em Sobradinho, Arroio do Tigre, Lagoa Bonita do Sul e Ibarama para afastar crianças do trabalho em campos de tabaco.

Programa da OIT e parceiros combate trabalho infantil no cultivo de tabaco do RS. Foto: Reprodução

Programa da OIT e parceiros combate trabalho infantil no cultivo de tabaco do RS. Foto: Reprodução

No Vale do Rio Pardo, no Rio Grande do Sul, uma parceria público-privada da Organização Internacional do Trabalho (OIT) com outros organismos busca combater o trabalho infantil nas plantações de tabaco por meio do fortalecimento de ações de educação no estado. Neste mês, o diretor da agência da ONU no Brasil, Peter Poschen, visitou os municípios de Sobradinho e Arroio do Tigre, beneficiados pelo projeto.

Fruto da cooperação entre a OIT, a Japan Tobacco International (JTI) e a Winrock International, o programa Alcançando a Redução do Trabalho Infantil pelo Suporte à Educação (ARISE) vem sendo desenvolvido desde 2012 para eliminar progressivamente a presença de crianças nos campos de trabalho de cultivo de tabaco.

Poschen visitou a escola São Valentin, em Sobradinho, que desenvolve um projeto de horta escolar no contraturno. Em Arroio do Tigre, o dirigente conheceu o Centro Técnico Agrícola e uma propriedade rural, além de se reunir com o prefeito Gilberto Rathke.

O chefe da OIT no Brasil também participou da abertura dos Jogos Olímpicos da Associação da Juventude Rural de Arroio do Tigre — uma das principais atividades da juventude do campo no Rio Grande do Sul.

Além desses dois municípios, também são contemplados pelo ARISE as cidades de Lagoa Bonita do Sul e Ibarama.

“Na fase em que se encontra, o programa tem consolidado as conquistas em relação à redução do trabalho infantil e deixado uma importante estrutura de educação envolvendo as organizações, prefeituras e instituições locais”, afirmou Poschen.

Segundo o dirigente, é possível viabilizar, por exemplo, a formação e o aprendizado no meio rural não apenas voltados ao tabaco, mas a outras oportunidades da agricultura e com ênfase no empreendedorismo, incluindo atividades com base na tecnologia da informação e no uso de energia renovável.

“O empreendedorismo vai prestigiar o papel do agricultor, que passa a se ver não apenas como um camponês, mas como um gerente de uma empresa, o que de fato ele é”, afirmou.

“Nesse roteiro (de visitação das parcerias), acredito que foi possível mostrar como, ainda que nossa realidade seja diferente da de muitos países onde infelizmente há muito mais pobreza, nós também precisamos de auxílio, pois temos problemas culturais, sociais e econômicos a superar”, explicou a chefe da organização não governamental Winrock International, Luisa Siqueira.

O diretor da OIT no Brasil se encontrou ainda com o presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SINDITABACO), Iro Schünke, para conversar sobre o ARISE e conhecer o trabalho feito pelo Instituto Crescer Legal.

A iniciativa da organização sindicalista e de suas empresas associadas é voltada para a capacitação, a erradicação do trabalho infantil e a oferta de subsídios para que os jovens permaneçam e se desenvolvam no meio rural.