Paraguaias premiadas por iniciativa da FAO conhecem produção de algodão do Brasil

Paraguaias vencedoras do Concurso de Sistema de Produção de Algodão, promovido pela Diretoria de Educação Agrícola (DEA) do Paraguai em conjunto com o projeto +Algodão Paraguai, foram premiadas com uma viagem ao Brasil para uma visita técnica sobre atividades brasileiras no setor. País é referência para o projeto por ser importante exportador da matéria-prima que é uma das 20 commodities mais importantes do mercado mundial em termos de valor.

Natalia Aguilar Venega e Luisa Curtido Martínez, da Escola Agrícola de Villarrica, no Paraguai, visitaram por uma semana as cidades nordestinas de Barbalha (CE), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB) e Remígio (PB) e trocaram conhecimentos com os agricultores familiares que produzem algodão de maneira agroecológica na região; conheceram políticas públicas voltadas para o setor; e visitaram a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer-PB).

O projeto +Algodão Paraguai é uma iniciativa conjunta promovida pelo governo do Paraguai; governo do Brasil –representado pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC); e Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Segundo o representante da FAO no Paraguai, o intercâmbio entre Brasil e Paraguai é importante “para expandir experiências e predisposição à inovação na produção de algodão que, por muito tempo, significou um meio de vida importante para os agricultores paraguaios”.

Vencedoras de concurso do projeto +Algodão Paraguai, implementado em conjunto com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), visitaram atividades da cadeia produtiva brasileira. Foto: Bishnu Sarangi | Pixabay.

Vencedoras de concurso do projeto +Algodão Paraguai, implementado em conjunto com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), visitaram atividades da cadeia produtiva brasileira. Foto: Bishnu Sarangi | Pixabay.

Duas jovens alunas, Natalia Aguilar Venega e Luisa Curtido Martínez, da Escola Agrícola de Villarrica, no Paraguai, participaram de uma visita técnica de capacitação no Brasil para ampliar seus conhecimentos em tecnologias para a produção de algodão para agricultura familiar.

Durante uma semana, elas visitaram as cidades nordestinas de Barbalha (CE), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB) e Remígio (PB), onde conheceram experiências bem-sucedidas na produção e no manejo convencional de algodão como: cuidados com o solo; fertilização; controle de pragas (teoria e prática); entre outros.

Intercâmbio de experiências

As alunas Natalia Aguilar Venega e Luisa Curtido Martínez, do Paraguai, estiveram por uma semana no nordeste brasileiro para troca de experiências sobre tecnologias e inovações na produção de algodão. Foto: Monica Pinto | ABC.

As alunas Natalia Aguilar Venega e Luisa Curtido Martínez, do Paraguai, estiveram por uma semana no nordeste brasileiro para troca de experiências sobre tecnologias e inovações na produção de algodão. Foto: Monica Pinto | ABC.

As estudantes visitaram o escritório local da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), onde conheceram o laboratório e as máquinas utilizadas no processamento do algodão; e a Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer-PB).

Na Empaer, foram levadas pelos técnicos extensionistas para uma atividade em campo de assistência técnica, visando unir os conhecimentos teóricos e a prática.

No último dia, as estudantes paraguaias participaram de um “Dia de Campo”. “Estivemos em um campo experimental da Embrapa para conhecer o sistema de algodão orgânico, além da produção de algodão colorido”, contou Natalia, sobre a atividade na cidade de Barbalha, no Ceará.

Elas visitaram propriedades de agricultores familiares que produzem algodão de maneira agroecológica e que comercializam seus produtos para uma cooperativa local e em feiras da região. Durante a visita, elas também conheceram um pouco mais sobre a experiência de certificação de produtos orgânicos.

“Além disso, fizeram uma apresentação sobre manejo integrado de pragas”, completou Natalia.

Durante a visita à cooperativa, as alunas também aprenderam um pouco mais sobre as políticas públicas brasileiras voltadas para a agricultura familiar, como a de compra de produtos para alimentação escolar, conhecida como PNAE.

Para a extensionista social da Empaer-PB, Kelly Figueiredo, as jovens “retornarão ao Paraguai com uma experiência valiosa, entendendo como funcionam as políticas públicas de apoio ao produtor de algodão e o funcionamento do processo de comercialização”.

Segundo Jorge Meza, representante da FAO no Paraguai, existe a “necessidade de intensificar o intercâmbio de jovens estudantes e profissionais com outros países, especialmente com o Brasil, para expandir suas experiências e predisposição à inovação na produção de algodão que, por muito tempo, significou um meio de vida importante para os agricultores paraguaios”, pontuou.

Cooperação Sul-Sul

A missão foi acompanhada pelos técnicos da Direção de Educação Agrária (Deag) do Paraguai e pela assistente de projeto da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), Mônica Pinto.

Segundo Pinto, as atividades realizadas no âmbito do projeto +Algodão são muito importantes dentro do papel desempenhado pela ABC de compartilhamento de conhecimentos e experiências de instituições brasileiras, como a Embrapa e a Empaer-PB, com os países que fazem parte dessa iniciativa de cooperação sul-sul trilateral.

Ela avalia que, para as jovens ganhadoras, o concurso foi uma oportunidade de conhecer os campos experimentais, bem como os desafios, as dificuldades e os resultados dos anos de pesquisa do Brasil que têm possibilitado a produção de algodão na região visitada.

“Elas poderão compartilhar e multiplicar os novos conhecimentos com seus colegas, além de poder colocá-los em prática nos campos de algodão no Paraguai”, afirmou.

Concurso “Sistema de Produção de Algodão”

As alunas Natalia e Luisa ganharam o Concurso de Sistema de Produção de Algodão, promovido pela Diretoria de Educação Agrícola (DEA) do Paraguai em conjunto com o projeto +Algodão Paraguai, executado de forma conjunta pela FAO e os governos do Brasil e do Paraguai.

O concurso foi dirigido a todos os alunos do segundo ano técnico em agricultura das Escolas Agrícolas, sob a gestão do Ministério da Agricultura e Pecuária do Paraguai.

+Algodão Paraguai

O Governo do Brasil, por meio da Agência Brasileira de Cooperação, do Ministério das Relações Exteriores (ABC / MRE), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e sete países parceiros – Argentina, Bolívia, Equador, Colômbia, Haiti, Paraguai e Peru – uniram esforços por meio da Cooperação Sul-Sul Trilateral para a implementação do Projeto + Algodão.

projeto +Algodão Paraguai é executado no Brasil desde 2014 e tem focado suas ações no fortalecimento das capacidades institucionais por meio do intercâmbio de tecnologia; treinamento; extensão rural; e articulação entre os atores do setor público e privado, contribuindo para a melhoria da produtividade e das condições de vida dos agricultores familiares.

A experiência do Brasil na atividade do algodão é uma referência para o projeto, resultado de seus avanços na pesquisa e no desenvolvimento de novas tecnologias adaptadas ao cultivo do algodão, que transformaram o país em um grande exportador de algodão.