Países firmam acordo para ação regional em busca da cobertura universal de saúde

Em evento nos Estados Unidos, o brasileiro Jarbas Barbosa é eleito presidente do Conselho Executivo da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) para 2013 e 2014.

Secretário da Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde do Brasil, Jarbas Barbosa, é eleito presidente do Conselho Executivo da OPAS para 2013 e 2014. Foto: ABr

Secretário da Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde do Brasil, Jarbas Barbosa, é eleito presidente do Conselho Executivo da OPAS para 2013 e 2014. Foto: ABr

Todos os países da América acordaram no 52º Conselho Diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) iniciativas para reduzir as mortes por doenças não transmissíveis; assegurar que homossexuais, bissexuais e transexuais tenham acesso igualitário aos sistemas de saúde; aumentar o número de pessoas qualificadas nos serviços de atenção primária em saúde e intensificar os avanços em direção à cobertura universal. O evento foi promovido pelo escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), entre os dias 30 de setembro e 4 de outubro, em Washington, Estados Unidos.

No encontro, as autoridades discutiram modos para melhorar o sistema de saúde, avanços em direção à cobertura universal de saúde e trabalho conjunto com outros setores para melhorar as condições sociais, ambientais e econômicas que influenciam na saúde da população do continente.

O secretário da Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde do Brasil, Jarbas Barbosa, foi eleito presidente do Conselho Executivo da OPAS para 2013 e 2014. As delegações também aprovaram o plano estratégico da OPAS/OMS para 2014-2019 e o que vai ser feito e o orçamento necessário para 2014 e 2015 com o objetivo de avançar em direção à cobertura universal em saúde.

De acordo com as representações, os países pretendem usar mais evidências científicas para formular políticas sobre imunização, ampliar a cooperação para o desenvolvimento sanitário entre países e avançar na implementação do Regulamento Sanitário Internacional (RSI).

Durante a semana, os participantes assistiram debates sobre as incidências das doenças negligenciadas, o problema das drogas no continente, o coronavírus causador da Síndrome Respiratória do Oriente Médio, a influenza A (H7N9), a saúde na agenda de desenvolvimento pós-2015 e os avanços em direção à cobertura universal em saúde nos países das Américas.