Maria-Noel Vaeza se reuniu com representantes da sociedade civil para apresentar a nova campanha Geração Igualdade e discutir o a situação das mulheres brasileiras. Foto: ONU Mulheres

Nações Unidas pedem mais investimentos do Brasil nos direitos das mulheres

A diretora da ONU Mulheres para América Latina e Caribe, Maria-Noel Vaeza, reuniu-se em fevereiro (20 e 21) em Brasília (DF) com autoridades do Executivo e do Judiciário brasileiros e lideranças da sociedade civil.

Nos encontros, salientou que países da região precisam avançar em políticas para a eliminação das desigualdades de gênero, raça e etnia, a fim de fazer avançar o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

SP recebe 5ª edição do Embaixadores da Juventude, curso da ONU para jovens líderes

Estão abertas inscrições para a quinta edição do curso de formação do Programa Embaixadores da Juventude, que ocorrerá de 25 a 29 de março deste ano, em São Paulo (SP).

O curso é promovido pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC) e pelo Instituto Caixa Seguradora, em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da cidade de São Paulo (SMDHC).

Podem se inscrever jovens entre 18 e 24 anos, com Ensino Superior ou Técnico Profissionalizante (concluído, em andamento ou suspenso) e, sobretudo, que tenham espírito de liderança e papel transformador em suas comunidades. As inscrições vão até 10 de março.

O secretário-geral da ONU, António Guterres. Foto: TASS/UN DPI

Chefe da ONU diz que direitos humanos estão sob ataque no mundo

O secretário-geral da ONU, António Guterres, lançou na segunda-feira (24) um chamado global por ação em prol dos direitos humanos.

Ao abrir a 43ª sessão do Conselho de Direitos Humanos em Genebra, Guterres disse que tal chamado ocorre no ano do 75º aniversário da ONU e em meio a um cenário em que “os direitos humanos estão sob ataque”.

Como exemplos, Guterres citou violações do direito internacional em conflitos, o tráfico de pessoas, a exploração e abuso de mulheres e meninas escravizadas, a prisão de ativistas, a perseguição de grupos religiosos e minorias e o assassinato ou assédio de jornalistas.

Crianças indígenas waraos brincam no Súper Panas apoiado pelo UNICEF no abrigo Janakoida, em Pacaraima, Roraima, perto da fronteira com a Venezuela. Crédito: UNICEF/Hiller.

Abrigos de Belém contarão com espaço UNICEF de integração de crianças refugiadas e migrantes

O Fundo das Nações para a Infância (UNICEF), com apoio da Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), realizou em Belém uma oficina de formação para funcionários públicos com o intuito de preparar os abrigos da cidade para a inauguração de espaços Súper Panas.

O espaço Super Panas, do UNICEF – que significa “super amigos” em espanhol – oferece atividades recreativas, educativas e de apoio psicossocial, fundamentais para o desenvolvimento e a recuperação emocional dos crianças refugiadas e migrantes.

A convite da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o representante da ONU viajou para Belo Horizonte, onde foi recebido pelo Grupo de Trabalho da ALMG sobre a situação em Brumadinho. Foto: ALMG

No Brasil, representante da ONU discute direitos humanos com autoridades e sociedade civil

O representante para América do Sul do Escritório das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Jan Jarab, realizou sua primeira visita oficial ao Brasil.

Entre 17 e 19 de fevereiro, Jarab participou em reuniões com governo e parlamentares em Brasília, bem como em atividades no estado de Minas Gerais, com foco na situação de Brumadinho — após a tragédia causada pelo rompimento de uma barragem de mineração em 2019.

Na visita, a agenda do representante teve ênfase em assuntos relacionados com a prevenção da tortura, os direitos dos povos indígenas, empresas e direitos humanos e nos direitos econômicos, sociais, culturais e ambientais em geral.

ONU destaca que um em cada cinco trabalhadores ainda vive em pobreza moderada ou extrema. Foto: Banco Mundial/Stephan Gladieu

ONU: um em cada cinco trabalhadores vive na pobreza

No Dia Mundial da Justiça Social (20), as Nações Unidas chamaram a atenção para a situação de pobreza moderada ou extrema que ainda atinge pelo menos 20% das trabalhadoras e trabalhadores em todo o mundo.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) lembra que muitos trabalhadores recebem salários estagnados, a desigualdade de gênero prevalece e as pessoas não estão se beneficiando igualmente do crescimento econômico. Além disso, as disparidades geográficas impedem o acesso ao trabalho decente.

Foi exibido filme para que as crianças e adultos pudessem se distrair durante a espera no cadastramento. Foto: ACNUR

Mutirão de documentação no Pará beneficia mais de 100 indígenas venezuelanos

Em um esforço coordenado entre Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Polícia Federal e Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos do Pará, 106 indígenas venezuelanos da etnia Warao foram cadastrados nos últimos dois meses junto ao sistema SISCONARE como solicitantes de refúgio, sendo que 70 já tiveram seus protocolos emitidos.

O constante deslocamento dessa população pela região Norte e a complexidade logística de Belém, associados aos desafios linguísticos dos Warao, tornaram desafiador para a rede local de proteção atender suas necessidades de documentação.

A palha de cabuya ou ojidu, conhecido como buriti no Brasil, é a principal matéria-prima das peças. Foto: ACNUR/ Felipe Irnaldo

Em Manaus, artesãs venezuelanas Warao participam de oficina de inovação para gerar renda

A criatividade e o saber ancestral da etnia Warao podem se tornar uma fonte de renda e esperança para refugiadas e migrantes desta população indígena acolhida em Manaus (AM).

Uma parceria da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) com o Museu Casa do Objeto Brasileiro promoveu  em novembro uma oficina de inovação para artesãs indígenas moradoras do Abrigo Alfredo Nascimento, localizado na zona norte da cidade.

Em Teknaf, Bangladesh, a apresentadora Joya Pul Happy (à esquerda) e sua produtora Shanta Pul na rádio comunitária, trabalham em um próximo programa. (Agosto de 2018). Foto: UNICEF/Brown

ONU destaca promoção de diversidade e inclusão no Dia Mundial do Rádio

Em uma mensagem para o Dia Mundial da Rádio 2020, comemorado nesta quinta-feira (13), o secretário-geral da ONU, António Guterres, destacou como o meio pioneiro de comunicação celebra a diversidade e contribui para a paz global.

“Enquanto nos esforçamos para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e enfrentar a crise climática, o rádio tem um papel fundamental a desempenhar como fonte de informação e inspiração”, disse Guterres.

Projeto Àwúre é desenvolvido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), com apoio do UNICEF. Foto: OIT

OIT e MPT fortalecem comunidades tradicionais no recôncavo baiano

Além de um tradicional destino turístico, a cidade de Maragojipe, no recôncavo baiano, agora também é cenário de mais uma etapa do Projeto Àwúre, desenvolvido pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), com apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

No idioma africano Iorubá, a palavra Àwúre significa “benção”, uma permissão para entrada. O objetivo do projeto é fortalecer a comunidade, a cultura, o respeito à diversidade e a autonomia produtiva local, gerando renda e trabalho para a região.

Roda de conversa sobre saúde sexual e reprodutiva com pessoas LGBTI no Espaço Amigável em Roraima. Foto: UNFPA Brasil/Fabiane Guimarães

UNFPA orienta refugiados e migrantes sobre como acessar serviços públicos em Roraima

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) atende e auxilia a população refugiada e migrante de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, em salas de escuta e atendimento conhecidas como Espaço Amigável, localizadas nos Postos de Interiorização e Triagem (PITRIG) da Operação Acolhida, em Boa Vista e Pacaraima (RR).

O trabalho é direcionado especialmente para mulheres, gestantes, lactantes, pessoas sobreviventes a violência baseada em gênero e pessoas vivendo com HIV. O espaço oferece atividades e atendimentos para jovens, pessoas LGBTI, pessoas idosas, indígenas e pessoas com deficiência.

O atendimento consiste na aplicação de protocolos capazes de identificar vulnerabilidades e necessidades de proteção social. Em 2019, 29,3 mil pessoas foram atendidas individualmente pela equipe do UNFPA em Roraima.

Os povos indígenas são os melhores protetores das florestas tropicais. Foto: Mongabay | Daniel Aguilar.

OIT pede ação dos países para erradicar pobreza entre povos indígenas

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) afirmou nesta segunda-feira (3) ser imperativo erradicar a pobreza enfrentada pelos povos indígenas. Na comparação com seus pares não indígenas, essas populações têm quase três vezes mais chances de viver na extrema pobreza, segundo relatório publicado na ocasião dos 30 anos da Convenção sobre Povos Indígenas e Tribais.

O documento concluiu que o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) está ameaçado, a menos que uma correção de curso ocorra por meio de políticas públicas que não apenas eliminem as lacunas, mas também apoiem mulheres e homens indígenas como atores essenciais do desenvolvimento sustentável e do combate às mudanças climáticas.

Indígenas da etnia warao que vieram da Venezuela estão em situação de vulnerabilidade social nas ruas e praças públicas de Belém. Foto: Flickr/Amazônia Real/Catarina Barbosa (CC)

UNICEF e parceiros discutem melhorias na resposta humanitária a venezuelanos no Pará

Santarém (PA) recebe nesta quinta-feira (23) a visita da consultora do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para a resposta humanitária venezuelana Kassya Fernandes, que se reunirá com o prefeito da cidade, Nélio Aguiar, e as gestoras de assistência e saúde.

A visita ao município do oeste paraense é mais uma etapa de encontros que vêm sendo realizados entre UNICEF, governo do estado e prefeituras de Belém e Santarém para avançar na resposta humanitária a pessoas venezuelanas no Pará.

Canarinhos na Praça da Antena de TV, em Brasília (DF). Foto: ACNUR/Alan Azevedo

Coral de crianças Canarinhos da Amazônia apresenta-se no Palácio do Planalto

O coral infantil Canarinhos da Amazônia, que reúne crianças brasileiras e venezuelanas e conta com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), foi convidado pelo governo federal para se apresentar no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), ao lado do mais alto escalão do Executivo brasileiro.

O evento marcou a troca de comando da Operação Acolhida, a resposta humanitária do governo brasileiro ao fluxo de refugiados e migrantes venezuelanos.

Embora o Brasil tenha avançado no acesso à escola, o problema ainda não está resolvido. Foto: UNICEF/Raoni Libório

UNICEF: 2 milhões de crianças brasileiras correm o risco de não voltar às aulas

Início de ano é hora de volta às aulas. Mas essa não é uma realidade para quase 2 milhões de crianças e adolescentes brasileiros. São meninas e meninos que deixaram as salas de aula, ou que nunca sequer chegaram a frequentá-las.

Neste começo do ano, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) faz um apelo para que todos os municípios realizem a Busca Ativa Escolar: ou seja, unam as equipes da administração pública e da sociedade civil para ir de casa em casa encontrar e levar para a escola todos os estudantes que estão fora dela.

Vista aérea da Floresta Amazônica, próximo a Manaus (AM). Foto: Flickr (CC)/CIAT/Neil Palmer

Iniciativa inter-religiosa visa conservar e restaurar florestas tropicais do mundo

A Fé Pelas Florestas é uma campanha global lançada em setembro de 2019 pela Iniciativa Inter-Religiosa pelas Florestas Tropicais, que trabalha com parceiros de todo o mundo para conservar e restaurar as florestas tropicais. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) ocupa o secretariado da iniciativa, que tem nove parceiros.

No Brasil, um Conselho Executivo de líderes religiosos realizou no ano passado evento de educação e planejamento em São Paulo (SP), com a participação de mais de 90 líderes religiosos. Eventos semelhantes estão previstos em outras quatro cidades brasileiras — Belém (PA), Manaus (AM), Rio de Janeiro (RJ) e Brasília (DF), em fevereiro e março.

Uma ampla gama de ativistas têm sido alvo de ataques na Colômbia, especialmente aqueles que vivem em áreas rurais. Foto: ONU Colômbia

Colômbia: ONU alerta para aumento dos assassinatos de defensores de direitos humanos

O Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) disse estar “profundamente preocupado com o número impressionante de defensores de direitos humanos assassinados na Colômbia” no ano passado, disse sua porta-voz nesta terça-feira (14).

“O grupo mais visado foi o de defensores dos direitos humanos que apoiavam grupos étnicos específicos e baseados na comunidade, como povos indígenas e afro-colombianos”, disse Marta Hurtado a jornalistas em Genebra, acrescentando que o número de mulheres ativistas mortas aumentou “quase 50% em 2019 em comparação com 2018”.

Centro inaugurado em Manaus oferece apoio para refugiados e migrantes na cidade. Foto: ACNUR/Felipe Irnaldo

Posto em Manaus (AM) atende mais de 5 mil refugiados e migrantes em dois meses

Com cerca de 224 mil venezuelanos no país, a coleta dos dados facilita a resposta local, apoia a adequação de serviços básicos como saúde, educação e abrigamento, e auxilia o mapeamento de fluxos de mobilidade internamente.

Para facilitar esses serviços em Manaus (AM), um novo Posto de Interiorização e Triagem foi inaugurado há dois meses para atender a comunidade refugiada e migrante, com serviços de documentação, registro, vacinação e encaminhamento para a estratégia de interiorização.

Os visitantes da exposição puderam conversar diretamente com as artesãs para compreender melhor o processo de produção das peças. Foto: A CASA/Rodrigo João

Palha do buriti ganha vida na mão de artesãs indígenas venezuelanas em Roraima

As venezuelanas indígenas warao Marcelina e Hermínia tiveram em novembro uma semana repleta de novidades. Abrigadas em Roraima, elas fizeram sua primeira viagem de avião e chegaram a São Paulo, onde expuseram o artesanato que produzem a partir da palha do buriti.

Com apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), da ONG Fraternidade — Federação Humanitária Internacional (FFHI) e da União Europeia, o artesanato com palha de buriti tem se tornado uma fonte de renda para essa população.

Harlen e sua filha, Camilla. Foto: UNFPA/Yareidy Perdomo

Do outro lado da fronteira

Quem olha para a venezuelana Harlen Barrios, de 31 anos, natural de Bolívar, sabe reconhecer o excelente desempenho que hoje ela tem na atenção e acolhimento às pessoas refugiadas e migrantes que chegam à Operação Acolhida em Pacaraima (RR). Nem imaginam que, há menos de dois anos, ela estava do outro lado da fronteira.

Hoje Harlen faz parte da equipe do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) na cidade, atuando como assistente de campo 1, dando atenção a refugiados e migrantes que chegam à fronteira com a Venezuela.

RPC, filiada da Rede Globo no Paraná, veiculou a série Mães na Adolescência. Foto: Reprodução

Série de TV aborda desafios da gravidez na adolescência

Entre os dias 25 e 29 de novembro, a RPC, filiada da Rede Globo no Paraná, veiculou a série Mães na Adolescência. Composta por cinco capítulos exibidos no telejornal Boa Noite Paraná, a produção teve como objetivo levar o conhecimento sobre o tema e sobre a realidade que afeta muitos municípios do estado.

A iniciativa foi uma parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), por meio do projeto Prevenção e Redução da Gravidez Não Intencional na Adolescência nos Municípios do Oeste do Paraná, junto com a ITAIPU Binacional. Os episódios estão disponíveis online.

Astrid Bant visitou também a ocupação Kaubanoko, em Boa Vista. Foto: UNFPA Brasil/Fabiane Guimarães

UNFPA: refugiados e migrantes precisam ter acesso a contraceptivos e parto seguro

A nova representante do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil, Astrid Bant, visitou Roraima no fim de novembro para conhecer o trabalho desenvolvido pela equipe de assistência humanitária no estado.

Na ocasião, ela constatou que, entre os desafios da atuação da agência da ONU, está a necessidade de garantir o parto seguro a mulheres refugiadas e migrantes que chegam ao país grávidas e em situação de vulnerabilidade.

Além disso, é necessário assegurar o planejamento reprodutivo e acesso a contracepção a outro grupo de mulheres que, sem informação e serviços, estão expostas à gravidez não intencional.

Indígenas da etnia warao que vieram da Venezuela estão em situação de vulnerabilidade social nas ruas e praças públicas de Belém. Foto: Flickr/Amazônia Real/Catarina Barbosa (CC)

UNICEF e Sociedade de Pediatria se unem para cuidado de crianças venezuelanas no Pará

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Sociedade Paraense de Pediatria (Sopape) definem agenda de ação comum a ser desenvolvida com foco em crianças migrantes em Belém e Santarém (PA).

Antônio Carlos Cabral, especialista em Saúde, HIV e Primeira Infância do UNICEF na Amazônia, e Vilma Francisca Hutim Gondim de Souza, presidente da Sopape, definiram em encontro realizado em Belém ações prioritárias para a primeira infância e o desenvolvimento de competências da rede que trabalha com refugiados e migrantes nos abrigos em Belém e Santarém.

Fazendeira trabalha em campos próximos à Vila Chatiune, no Nepal. Foto: ONU Mulheres | Narendra Shrestha.

Fundo Verde destina US$160 mi a Chile, Nepal e Quirguistão para combate às mudanças climáticas

Apoio financeiro do Fundo Verde para o Clima (GCF) ao Chile, Nepal e Quirguistão visa oferecer suporte às respostas implementadas por esses países no combate às mudanças climáticas.

A iniciativa foi aprovada em novembro (13), em Songdo, na Coreia do Sul. Estima-se que o Fundo, apoiado pela ONU, beneficiará 1,5 milhões de pessoas.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) tem apoiado a elaboração de projetos com o objetivo de combater as mudanças climáticas e construir resiliência nas três nações.

Nos stands e eventos paralelos ao fórum, o Brasil esteve presente por meio de iniciativas que têm promovido a integração local e a convivência entre pessoas refugiadas e a população brasileira. Foto: ACNUR/Jesus Cova

Brasil apresenta em Genebra experiências bem sucedidas no acolhimento de refugiados

Com mais de 770 compromissos e propostas apresentadas para apoiar milhões de pessoas refugiadas e comunidades de acolhida pelo mundo, o Fórum Global para Refugiados foi concluído esta semana em Genebra como uma reunião histórica que teve a participação de países, líderes empresariais e de instituições financeiras, além de representantes da sociedade civil, das pessoas refugiadas e de outras agências da ONU.

O Brasil participou do fórum com uma delegação governamental e também com iniciativas que promovem a integração de longo prazo e a convivência pacífica entre a comunidade refugiada e a população brasileira.

Ação de saúde pública para controlar vetores da malária em Machadinho D'Oeste, em Rondônia. Foto: OPAS

Conheça as localidades brasileiras que são Campeãs contra a Malária nas Américas

Contraída por meio da picada de um mosquito infectado, a malária é uma das principais causas de mortes no mundo, com 228 milhões de casos e 405 mil mortes em 2018. Nas Américas, a transmissão permanece endêmica em 19 países e territórios — entre eles, o Brasil. Por isso, diversas localidades brasileiras têm utilizado estratégias eficazes para eliminar a doença.

Várias delas foram finalistas do prêmio “Campeões contra a Malária nas Américas”, promovido desde 2009 pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Saiba mais sobre cada uma.

Lagoa Azul, em Primavera do Leste, no estado do Mato Grosso. Foto: Reprodução/PNUMA.

PNUMA: Turismo sustentável é oportunidade de negócio em Mato Grosso

O programa Turismo Sustentável, uma iniciativa conjunta do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), estado do Mato Grosso, Parceria para Ação pela Economia Verde (PAGE) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), visa impulsionar a atividade no Mato Grosso, lugar que abriga três biomas – Amazônia, Pantanal e Cerrado – com polos de exuberante beleza.

Fruto desta parceria é o manual “Diretrizes para Normalização e Certificação de Turismo Sustentável”, lançado em março deste ano com o objetivo de auxiliar a construção de uma política pública efetiva de desenvolvimento de turismo sustentável na região.

Segundo a oficial sênior de programas do PNUMA, Regina Cavini, há uma demanda cada vez maior das pessoas por experiências de turismo que contribuam para o desenvolvimento social, econômico e ambiental das comunidades locais. “É uma tendência global que também sinaliza uma oportunidade de negócios aliada à conservação da natureza”, afirmou.

Circuito de turismo indígena do Rio Negro foi um dos projetos do estado do Amazonas selecionados. Foto: Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN).

12 projetos de inovação no Amazonas e Piauí são selecionados pelo PNUD

Entre os cerca de 80 projetos inscritos em edital do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD Brasil, 12 serão contemplados com 100 mil reais cada para ampliar, aprimorar ou dar continuidade a atividades que promovem o desenvolvimento sustentável no Amazonas e no Piauí.

Projetos selecionados incluem um circuito de turismo indígena do Rio Negro, no Amazonas, e uma cooperativa de mulheres artesãs de Poty Velho, no Piauí.

Mulheres empreendedoras posam em frente aos produtos feitos a partir de figuras femininas histórias e atuais. Foto: ACNUR/Alan Azevedo

Campanha pelo fim da violência de gênero dá voz a refugiadas e migrantes venezuelanas

“Vivi muitos anos sofrendo violência, sem ao menos perceber”. “Não entendia que os gritos e palavras rudes eram também um tipo de violência”. “O que mais me doía era quando ele usava meus filhos contra mim”. “Nós mulheres somos penalizadas por tentar manter a família unida, por tentar fazer o certo”.

As autoras destas frases são refugiadas e migrantes venezuelanas que participaram, no último dia 10, em um dos eventos promovidos pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e parceiros para marcar o fim dos “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres” em Boa Vista, capital de Roraima.

Na imagem, a sala principal do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra. Crédito: ONU/Jean-Marc Ferré

ACNUDH e CIDH emitem nota sobre lideranças indígenas

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) divulgaram uma nota condenando os assassinatos das lideranças indígenas no Maranhão.

Os caciques Firmino Praxede Guajajara, da Terra Indígena Cana Brava, e Raimundo Belnício Guajajara, da Terra Indígena Lagoa Comprida, foram atingidos por disparos de arma de fogo no dia 7 de dezembro em Jenipapo dos Vieiras, no Maranhão. Outros dois indígenas estão gravemente feridos.

A conservação é importante para a biodiversidade e a segurança alimentar na região de Rupununi, na Guiana. Crédito: FAO/David Mansell-Moullin.

Programa da FAO atua em 13 países para alcançar níveis sustentáveis de caça e pesca silvestres

Programa de Manejo Sustentável da Vida Selvagem (SWM), lançado em 2017 pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e parceiros, atua em cooperação com 13 países para encontrar soluções sustentáveis para a caça e a pesca.

Segundo alerta a agência, se a caça e a pesca silvestres não forem contidas em níveis sustentáveis, as populações desses animais diminuirão e as comunidades rurais e tradicionais sofrerão níveis crescentes de insegurança alimentar.

Na região de Rupununi, na Guiana (país que faz fronteira com o estado brasileiro de Roraima), o programa da FAO trabalha com a tribo indígena Wapishana, que coordena um grupo de guardas florestais para a conservação local. A FAO destaca que em muitos desses países é necessário revisar e melhorar as leis de caça e os sistemas de posse da terra, que tendem a ser ambíguos e mal aplicados.

Garota venezuelana em centro apoiado pelo UNICEF na periferia de Caracas. Foto: Eduardo Párraga/UNICEF

UNICEF precisa de US$64,5 milhões para apoiar crianças venezuelanas em sete países

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) precisa de 64,5 milhões de dólares par apoiar seu trabalho em prol de crianças venezuelanas em sete países: Brasil, Colômbia, Equador, Peru, Guiana, Trinidad e Tobago e Panamá. É o que aponta o relatório global Ação Humanitária para Crianças, lançado em 4 de dezembro.

Para apoiar o governo brasileiro na resposta à crise migratória, desde maio de 2018 o UNICEF no Brasil abriu um escritório em Boa Vista e já expandiu suas ações para os migrantes venezuelanos também no Amazonas e Pará.

A atuação do Fundo acontece em cinco áreas prioritárias: atenção primária à saúde; nutrição; água, saneamento e higiene; educação formal e não formal; e proteção da criança.

Durante os 11 dias de protestos, pelo menos nove pessoas morreram e 1.507 ficaram feridas no Equador. Foto: EPA-EFE/Paola Aguilar.

Bachelet pede diálogo para evitar novos conflitos no Equador

A alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, denunciou na última sexta-feira (29) o “alto custo humano” dos recentes conflitos no Equador. Durante os protestos ocorridos entre os dias 3 e 13 de outubro, pelo menos nove pessoas morreram e 1.507 ficaram feridas.

Após analisar as informações coletadas pela missão de investigação do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) no país, Bachelet encorajou que todos os atores sociais do país sul-americano dialoguem, a fim de evitar novos embates e criar uma sociedade inclusiva “com total respeito por sua natureza multicultural”.

“É de suma importância que a sociedade como um todo, com o governo como uma força orientadora, se reúna em busca de caminhos de entendimento mútuo com o objetivo de construir uma sociedade inclusiva, multicultural e pacífica”, ressaltou a liderança.

Parte do grupo de 11 jovens que participaram do Estágio Afirmativo do UNFPA em 2019. Foto: UNFPA Brasil | Gisele Cintra.

UNFPA entrega certificados a integrantes do programa Estágio Afirmativo 2019

Em 2019, 11 jovens de diferentes regiões, etnias e gêneros integraram o programa de Estágio Afirmativo do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil.

Na última segunda-feira (2), grupo recebeu seus certificados da representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant. A agência promove a iniciativa desde 2016, que é considerada uma porta de entrada ao Sistema ONU para jovens afrodescendentes, LGBTI, indígenas, com deficiência, de baixa renda, entre outros grupos prioritários.

Segundo Bernardo Mota, jovem homem trans que integrou o grupo de estagiários e hoje é assessor técnico em Saúde Sexual e Reprodutiva da agência, “um dos maiores diferenciais é que sempre senti que estava em um espaço seguro. Essa oportunidade foi uma virada na minha autoestima e me fez acreditar no meu próprio potencial”.

Jovens recebem orientações sobre saúde sexual e reprodutiva de oficiais do UNFPA em Pacaraima, Roraima. Foto: UNFPA Brasil | Yareidy Perdomo.

UNFPA realiza oficinas de saúde sexual e reprodutiva com refugiados e migrantes em Roraima

No mês de novembro, Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil promoveu encontros com pessoas refugiadas e migrantes venezuelanas vivendo na cidade de Pacaraima (RR), município fronteiriço entre os dois países.

Em parceria com a Associação Voluntários para o Serviço Internacional – Brasil (AVSI Brasil) e a equipe médica do Exército Brasileiro atuando na Operação Acolhida, o UNFPA realizou formação com jovens sobre saúde sexual e reprodutiva, especificamente sobre a prevenção das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs); a gravidez não intencional; e o uso dos métodos contraceptivos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, na abertura da Conferência Climática da ONU (COP25) em Madri. Foto: ONU

Economia verde é oportunidade que precisa ser aproveitada pelos países, diz chefe da ONU na COP25

Uma economia verde “não deve ser temida, mas (encarada como) uma oportunidade a ser aproveitada”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres, nesta segunda-feira (2), em uma palestra aos delegados na abertura da Conferência Climática da ONU (COP25) em Madri.

Guterres delineou o programa de trabalho para o que será um evento de duas semanas, cobrindo vários aspectos da crise climática, incluindo capacitação, desmatamento, povos indígenas, cidades, finanças, tecnologia e gênero. “As tarefas são muitas”, disse ele, “nossos prazos são apertados e todos os itens são importantes”.

COP25 ocorrerá em Madri, na Espanha, até 13 de dezembro. Foto: ifema feria de madrid

COP25: conferência da ONU começa em Madri com objetivo de ampliar ambição climática

Governos de todo o mundo reúnem-se a partir desta segunda-feira (2) em Madri, na Espanha, para participar na Conferência da ONU sobre o Clima (COP25), que ocorre até 13 de dezembro com o objetivo de ampliar a ambição dos países no combate às mudanças climáticas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, discursará na cerimônia de abertura. Segundo seu porta-voz, ele deve fazer um apelo aos líderes mundiais para que aumentem sua ambição para alcançar as metas estabelecidas no Acordo de Paris. Guterres também deve pedir que adotem as mais novas regras sobre a implementação desse acordo.

Combate à discriminação racial e às desigualdades de gênero será foco das próximas parcerias entre o UNFPA e os governos da Bahia e de Salvador. Foto: Marcha Mundial das Mulheres Bahia/Facebook (via EBC)

UNFPA firma parceria com Bahia para defender igualdade racial e direitos das mulheres

O Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) assinou na quarta-feira (27), em Salvador (BA), dois termos de cooperação técnica com órgãos do Governo do Estado da Bahia, com o objetivo de impulsionar ações de saúde sexual e reprodutiva, igualdade racial e de defesa dos direitos das mulheres.

O acordo foi firmado com a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). O evento de assinatura dos termos teve a presença da nova representante do UNFPA no Brasil, Astrid Bant.

A primeira iniciativa conjunta será o processo de certificação de políticas migratórias locais desenvolvidas por estados e municípios. Foto: ACNUR

Santarém (PA) promove oficinas de saúde para lembrar dois anos do acolhimento de venezuelanos

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Prefeitura de Santarém (PA) realizam até sexta-feira (29) o evento Santarém Acolhedora, lembrando o aniversário de dois anos da Casa de Acolhimento para Adultos e Famílias (CAAF), que abriga famílias venezuelanas.

A programação prevê oficina para aceleração da resposta no cuidado à atenção à saúde integral da população venezuelana abrigada em Santarém.

A iniciativa é parte das ações desenvolvidas pelas agências das Nações Unidas visando acelerar a resposta humanitária e garantir direitos de todos os venezuelanos que buscam refúgio no Brasil.