Pacto Global lembra importância dos direitos humanos em série de eventos em São Paulo

O programa “O Mundo que Queremos”, da Rede Brasil do Pacto Global, foi encerrado este mês (10), dia de comemoração dos 70 anos da Declaração Universal de Direitos Humanos.

Sua agenda de atividades incluiu ao longo do ano discussões temáticas realizadas em São Paulo sobre racismo, diversidade LGBTI+ e comunidades indígenas, com o objetivo de incentivar a criação de políticas públicas e privadas nessas áreas. Saiba mais sobre os eventos realizados este ano.

Debate sobre assédio sexual reuniu estudantes de escola pública em março na Pinacoteca, em São Paulo. Essa foi a primeira atividade da Agenda O Mundo que Queremos. Foto: Governo do Estado de São Paulo

Debate sobre assédio sexual reuniu estudantes de escola pública em março na Pinacoteca, em São Paulo. Essa foi a primeira atividade da Agenda O Mundo que Queremos. Foto: Governo do Estado de São Paulo

O programa “O Mundo que Queremos”, da Rede Brasil do Pacto Global, foi encerrado este mês (10), dia de comemoração dos 70 anos da Declaração Universal de Direitos Humanos.

Sua agenda de atividades incluiu ao longo do ano discussões temáticas realizadas em São Paulo sobre racismo, diversidade LGBTI+ e comunidades indígenas, com o objetivo de incentivar a criação de políticas públicas e privadas nessas áreas.

O evento de encerramento teve o apoio do TEDxSão Paulo e foi marcado pelo lançamento da revista “Uma Agenda pelos Direitos Humanos”, um compilado com os principais destaques da iniciativa ao longo de 2018.

O “Mundo que Queremos” é uma ação da Rede Brasil do Pacto Global e do Governo do Estado de São Paulo, com apoio das empresas Proseftur e Klabin. A iniciativa envolveu centenas de pessoas em cinco grandes atividades temáticas.

A revista “Uma Agenda pelos Direitos Humanos” traz artigos de opinião de ativistas que participaram diretamente do programa: Lívia Maria Sant’Anna, promotora de Justiça do Ministério Público da Bahia (MP-BA); Amana Moira, travesti feminista e doutora em literatura pela Universidade de Campinas (UNICAMP); Cristine Takua, professora indígena pertencente à comunidade Ribeirão Silveira; e Edilamar Galvão, coordenador do curso de jornalismo da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).

Lançado em 2000 pelo então secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, o Pacto Global nasceu da necessidade de mobilizar a comunidade empresarial do mundo para a adoção de valores fundamentais e internacionalmente aceitos em suas práticas de negócios.

Confira nos links abaixo os eventos realizados em 2018:

#SmashTheGlass lota Pinacoteca em evento sobre assédio sexual
Simplicidade da Lei Áurea mostra descaso com os negros, diz promotora
TRANSdocumenta é aberta com debate sobre LGBTQIA+ no trabalho e nas periferias
Filmes que retratam LGBTfobia nas periferias e em Cuba encerram TRANSdocumenta
Indígenas contam as dificuldades para preservar sua medicina e sua fé
Debates sobre como evitar suicídios e reduzir ódio e violência encerram Semana pela Paz