Organização Mundial da Saúde trabalha para controlar casos de ebola na Guiné

Número de casos de ebola na Guiné subiu de 103 para 122 em apenas três dias, com 80 mortes confirmadas.

A OMS providencia equipamento de proteção pessoal descartável para a ala de isolamento da enfermaria de um hospital em Concari, Guiné. Foto: OMS/T. Jasarevic

A OMS providencia equipamento de proteção pessoal descartável para a ala de isolamento da enfermaria de um hospital em Concari, Guiné. Foto: OMS/T. Jasarevic

O número de casos de ebola na Guiné subiu de 103 para 122 em apenas três dias, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta terça-feira (1). Há 80 mortes relacionadas com o vírus já confirmadas.

O porta-voz da OMS, Gregory Härtl, afirmou que neste momento a “comunicação com as comunidades locais e a sua orientação é crucial”, bem como a necessidade de parar a cadeia de transmissão do vírus monitorando os contatos com pessoas infetadas “por um período de 21 dias”.

Härtl explicou que o vírus vem se espalhando das vilas rurais do interior em direção à capital, Conacri, onde as pessoas procuram tratamento médico. O porta-voz afirmou também que os casos detetados na Guiné se ajustam a padrões já conhecidos de outros surtos verificados na República Democrática do Congo e em Uganda.

Ainda assim, Härtl não considera adequado falar numa epidemia. “A OMS está lidando com focos limitados, uma área geográfica limitada e apenas algumas cadeias de transmissão”, explicou Härtl.