Organização Marítima Internacional apóia a repressão a ações piratas na costa da Somália

Governo somali pede ajuda na criação de uma guarda costeira nacional para impedir o aumento dos ataques.

Organização Marítima Internacional (IMO)Governo somali pede ajuda na criação de uma guarda costeira nacional para impedir o aumento dos ataques.

O líder da Organização Marítima Internacional (IMO) prometeu que a agência irá ajudar a Somália na repressão a pirataria de sua costa e do Golfo de Áden, inclusive auxiliando na criação de uma guarda costeira nacional. O Secretário Geral da IMO, Efthimios Mitropoulos, discutiu o tema com o primeiro-ministro do governo de transição da Somália, Omar Abdirashid Sharmarke, durante encontro semana passada em Londres, onde a agência está localizada.

No ano passado houve um aumento da pirataria ao longo da costa da Nação Africana, que passa por um momento de instabilidade devido a brigas partidárias e não tinha um governo central efetivo desde 1991 com a queda de Siad Barre. Em janeiro, países do Oceano Índico e do Mar Vermelho se comprometerem em cooperar na apreensão, investigação e perseguição dos piratas ao longo da costa somali em uma campanha para acabar o problema que afeta o transporte marítimo internacional na área, inclusive a entrega de ajuda de alimentos de urgência da ONU.

O primeiro-ministro da Somália destacou que a pirataria ao longo da costa de seu país precisa ser tratada tanto na terra como no mar e pediu ajuda para impedir ataques das duas principais redes de pirataria (uma na região central da Somália e outra em Puntland) através de centros de informação compartilhados. Ele também declarou que o país está revisando sua legislação nacional para assegurar que os piratas sejam processados na Somália e pediu a IMO ajuda neste sentido.

Mitropoulos disse que a IMO, em colaboração com o Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), atenderá ao pedido de assistência.