OPAS pede que países mantenham programas de vacinação durante pandemia da COVID-19

As recomendações de fortalecer a vacinação contra influenza sazonal e sarampo foram emitidas em razão da 18ª Semana de Vacinação nas Américas, de 25 de abril a 2 de maio.

Desde 2003, mais de 806 milhões de pessoas de todas as idades foram vacinadas contra uma ampla gama de doenças perigosas sob a iniciativa regional promovida pela OPAS.

O Brasil estabeleceu postos de vacinação em escolas vazias devido à COVID-19, além de supermercados e farmácias. Além disso, está oferecendo vacinação “drive-thru” e em casa para pessoas que não conseguem sair de suas residências por motivos de saúde.

A meta é vacinar mais de 60 milhões de pessoas de alto risco – aquelas com doenças subjacentes, mulheres grávidas, crianças, profissionais de saúde e idosos.

Foto: OPAS

Os países devem fortalecer a vacinação contra influenza sazonal e sarampo para prevenir doenças respiratórias e surtos de doenças imunopreveníveis durante a pandemia da COVID-19, afirmam especialistas da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS).

As recomendações acontecem em função da 18ª Semana de Vacinação nas Américas, celebrada entre 25 de abril e 2 de maio com o slogan “Ame. Confie. Proteja. #VacineSe”. Desde 2003, mais de 806 milhões de pessoas de todas as idades foram vacinadas contra uma ampla gama de doenças perigosas sob a iniciativa regional promovida pela OPAS.

A diretora da OPAS, Carissa F. Etienne, reforça que as vacinas salvam vidas e devem ser mantidas mesmo durante a pandemia da COVID-19. “A pessoas mais vulneráveis não devem sofrer as consequências de não receber as vacinas das quais precisam. Parabenizo os países de nossa região que já adaptaram suas campanhas a essa ‘nova realidade’ e estão fazendo grandes esforços para continuar vacinando de maneira segura”, disse a diretora da OPAS.

A vacinação para prevenir quadros respiratórios graves pela gripe e frear os surtos de sarampo é essencial para proteger as pessoas, ajudando os sistemas de saúde a se concentrarem na resposta à COVID-19. Cerca de 17 países das Região informaram que estão usando a plataforma Semana de Vacinação nas Américas para imunizar contra influenza, e outros 17 planejam vacinar contra sarampo.

Três países das Américas – Argentina, Brasil e México – estão atualmente combatendo surtos de sarampo e lidando com casos da COVID-19. A OPAS recomendou que os prestadores de atenção primária de saúde vacinassem contra o sarampo enquanto tomavam medidas para proteger as comunidades e os profissionais de saúde da COVID-19.

Profissionais de saúde são heróis e heroínas da vacina

A imunização continua sendo um serviço essencial que ajudará a manter as pessoas saudáveis e reduzirá a sobrecarga nos serviços de saúde, para que possam responder de maneira mais eficaz à COVID-19.

O chefe do programa de Imunização Integral da Família da OPAS, Cuauhtemoc Ruiz Matus, recomenda que seja dado um foco especial na vacinação contra influenza este ano para proteger populações vulneráveis, em função do inverno que se aproxima na América do Sul e o contexto da pandemia de COVID-19. “A vacinação é fundamental não apenas para nossas comunidades, mas também para nossos profissionais de saúde”, explicou o chefe do programa de imunização da OPAS.

Novas abordagens para vacinar

Muitos países adaptaram soluções criativas para continuar a vacinar com segurança as populações de risco durante a pandemia. O Brasil estabeleceu uma meta de vacinar mais de 60 milhões de pessoas de alto risco – aquelas com doenças subjacentes, mulheres grávidas, crianças, profissionais de saúde e idosos – contra a gripe, e está trabalhando para atingir essa meta vacinando pessoas idosas fora dos centros de saúde para evitar contato com indivíduos doentes.

O país estabeleceu postos de vacinação em escolas vazias devido à COVID-19, além de supermercados e farmácias. Além disso, está oferecendo vacinação “drive-thru” e em casa para pessoas que não conseguem sair de suas residências por motivos de saúde. Os postos de vacinação funcionam em horário estendido para evitar aglomeração. Além da vacinação contra a gripe, o Brasil está imunizando contra sarampo e febre amarela nos municípios onde essas doenças estão circulando.

El Salvador montou estações de vacinação contra a gripe em bancos, onde os idosos costumam receber seus subsídios do governo, bem como em casas de repouso. O país também tem focado em gestantes.

Da mesma forma, o Chile – que já vacinou cerca de 2 milhões de pessoas com mais de 65 anos – está oferecendo vacinação “drive-thru” A Bolívia está enviando brigadas de imunização para casas de repouso e prisões para alcançar os grupos de risco e montando postos de vacinação nos bancos. Argentina, Colômbia e Paraguai também estão vacinando grupos de alto risco contra a gripe – o Paraguai montou tendas fora dos centros de saúde para separar as pessoas que buscam a vacinação dos pacientes doentes.

Os países também estão incluindo mensagens relacionadas à prevenção da COVID-19 como parte de suas campanhas na Semana de Vacinação, como a importância de uma boa higiene das mãos e etiqueta respiratória e a desmistificação de mitos e desinformação sobre a doença.

O distanciamento físico também está afetando as campanhas da Semana de Vacinação deste ano, que geralmente incluem atividades comunitárias como feiras de saúde, desfiles e outros evento. Com lançamentos virtuais sugeridos pela OPAS como uma maneira segura de promover a vacinação, o Paraguai realizou recentemente um lançamento simbólico da campanha com o presidente e o ministro da saúde, que foi compartilhado nas mídias sociais.