OMS defende fortalecimento e ampliação do Sistema Único de Saúde

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) destacou que, em todos os países e territórios das Américas, diferenças de classe, etnia e gênero tornam acesso a serviços de saúde desigual.

Para o Brasil, representante da agência da ONU disse “compartilhar com o SUS os valores de equidade e acesso de todos à saúde”. “Nós vemos um só caminho para o SUS: fazer mais saúde, fazê-lo mais universal, fazer o SUS cada vez mais SUS”, afirmou.

Sistema Único de Saúde (SUS) deve ser fortalecido, segundo a OPAS. Foto: Agência Brasil / Marcello Casal Jr.

Sistema Único de Saúde (SUS) deve ser fortalecido, segundo a OPAS. Foto: Agência Brasil / Marcello Casal Jr.

No último domingo (22), durante abertura da 22ª Conferência Mundial de Promoção da Saúde, em Curitiba, o representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), Joaquín Molina, destacou que em todos os países e territórios das Américas, os mais ricos têm maior expectativa de vida e usufruem de melhor saúde do que os menos favorecidos.

“Isso é injusto. E alguns grupos ainda enfrentam diferentes formas de desigualdade, que podem sobrepor-se à posição e a condição econômica, como as relacionadas ao sexo e à etnia”, alertou.

Segundo Molina, pertencer a certos grupos pode significar piores condições de vida, de acesso a serviços, de participação e ascensão social, caracterizando-se como iniquidades evitáveis e, portanto, injustas.

Também presente no evento, o presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Ronald Ferreira dos Santos, ressaltou a importância de iniciativas como o Programa Mais Médicos, que “chegaram aos rincões mais distantes do país, levando saúde e cidadania”, ajudando a reduzir a desigualdade.

A OPAS compartilha com o SUS valores de equidade e acesso de todos à saúde. Nós vemos um só caminho para ao SUS: fazer mais saúde, fazê-lo mais universal, fazer o SUS cada vez mais SUS.

Outro tema amplamente discutido pelos participantes na abertura da Conferência foi a necessidade de defender e ampliar o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro.

“A OPAS compartilha com o SUS valores de equidade e acesso de todos à saúde. Nós vemos um só caminho para o SUS: fazer mais saúde, fazê-lo mais universal, fazer o SUS cada vez mais SUS”, afirmou Molina.

O presidente do CNS também falou sobre o Sistema. “Esperamos que, com esta conferência, digamos ao mundo que não há democracia sem SUS e nem SUS sem democracia.”

Não há saúde sem justiça social, nem democracia. Não há SUS sem democracia. Não há promoção de saúde sem democracia.

O vice-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), Paulo de Goés, concordou. “A melhor forma de defesa do SUS é intensificarmos o esforço para garantir a reforma sanitária. Não há saúde sem justiça social, nem democracia. Não há SUS sem democracia. Não há promoção de saúde sem democracia.”

O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, chamou atenção ainda para outras iniciativas brasileiras, como o “Vida no Trânsito” — realizada em parceira com a OPAS. “Com o programa, conseguimos a redução de 40% das mortes no trânsito e, consequentemente, de gastos públicos.”