OPAS e OMS enviam ao Brasil novo carregamento de seringas para vacina contra febre amarela

Vacina contra febre amarela. Foto: ONU

O Brasil recebeu na noite de quinta-feira (22) um novo carregamento das cerca de 20 milhões de seringas para doses fracionadas da vacina contra febre amarela, solicitadas à Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) pelo Ministério da Saúde do país. O tamanho desses instrumentos – 0,1 cm³ ou o equivalente a 0,1 mL – permite que se aplique a fração exata do produto na pessoa que será imunizada, evitando erros.

Ao todo, 2,43 milhões de seringas já desembarcaram no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, e mais 609 mil estão previstas para chegar no domingo (25). De lá, os instrumentos devem seguir para a Central Nacional de Armazenamento e Distribuição de Insumos (CENADI). Esse montante de 3.048.000 seringas fazia parte de um estoque de reserva da Organização Mundial da Saúde (OMS) e foi enviado via Fundo Rotatório da OPAS, um mecanismo que facilita a compra de insumos, vacinas e medicamentos de alta qualidade para os países e territórios das Américas. Novos carregamentos serão enviados nos próximos meses.

A OPAS tem ajudado o Brasil na compra dessas seringas de 0,1 mL desde o ano passado, quando o país se preparava para uma possível necessidade de fracionar doses. Em janeiro deste ano, com a circulação do vírus da febre amarela em áreas densamente povoadas que anteriormente não eram consideradas de risco, o Ministério da Saúde do país decidiu adotar a estratégia de fracionamento. O objetivo é esticar o suprimento, protegendo mais pessoas e diminuindo a possibilidade de propagação da doença.

No âmbito da campanha conduzida no Brasil, crianças de 9 meses a 2 anos de idade; pessoas com condições clínicas especiais, entre outros grupos, receberão as doses padrão da vacina.

Atualmente, o país é afetado apenas pela febre amarela silvestre – transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes. O último caso de febre amarela urbana registrado no Brasil ocorreu no ano de 1942 (nas Américas, o último caso foi em 2008, no Paraguai).

Diferença entre dose padrão e fracionada

A OPAS e a OMS recomendam o uso de doses fracionadas em resposta a necessidades de campanhas de larga escala. Essa medida não tem a intenção de servir como estratégia de longo prazo nem de substituir as práticas de imunização de rotina (com o uso da dose padrão).

A diferença entre as doses está na quantidade injetada: a padrão tem 0,5 mL e protege por toda a vida; a fracionada tem 0,1 mL (1/5 da dose padrão) e fornece imunidade por pelo menos 12 meses, provavelmente mais. A OMS, ao estipular esse tempo de proteção, leva em conta a experiência real de vacinação em massa ocorrida em 2016 na República Democrática do Congo.

O acompanhamento das pessoas que receberam a dose fracionada da vacina no país africano mostrou que é possível fornecer imunidade contra a doença durante pelo menos esse período. Atualmente, há pesquisas em andamento para determinar a imunidade em longo prazo fornecida por doses fracionadas. Um estudo feito pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) apontou oito anos de proteção.

Casos

De acordo com informações do Ministério da Saúde, no período de monitoramento (de 1º de julho de 2017 a 20 de fevereiro de 2018), foram confirmados 545 casos de febre amarela no país, dos quais 164 resultaram em mortes.

No mesmo período do ano passado, foram 557 casos confirmados e 178 óbitos. Os informes de febre amarela do Brasil seguem a sazonalidade da doença, que acontece, principalmente, no verão (geralmente com aumento de casos de dezembro a maio).

Cobertura vacinal

O Ministério da Saúde tem reforçado a importância da vacinação nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo durante a campanha contra a febre amarela. Dados preliminares apontam que, até esta segunda-feira (19), 5,1 milhões de pessoas foram vacinadas, sendo 4,7 milhões com doses fracionadas e 422,6 mil com doses padrão. O número corresponde a 25,2% do público-alvo previsto. O estado da Bahia iniciou a campanha em oito municípios, nesta segunda-feira (19).

Doença viral

A febre amarela é uma doença viral transmitida por mosquitos infectados, que pode ser prevenida por uma vacina eficaz e segura. Os sintomas mais comuns são febre, dores musculares com dor lombar proeminente, dor de cabeça, perda de apetite, náusea ou vômito. Na maioria dos casos, os sintomas desaparecem depois de três ou quatro dias.

De 15% a 25% dos pacientes entra em uma segunda fase mais grave, na qual o risco de morte é maior e as pessoas podem ficar com a pele e os olhos amarelados, urina escura, dores abdominais com vômitos, sangramentos.

Confira a lista dos municípios brasileiros com recomendação de vacinação.

Confira a lista das cidades brasileiras da campanha de vacinação com dose fracionada.