OPAS e centros de controle dos EUA vão levar informações sobre zika a comunidades afetadas por vírus

Mosquito Aedes aegypti é principal vetor do vírus zika. Foto: UNICEF/BRZ/Ueslei Marcelino

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), em parceria com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), pretende levar educação sobre os riscos do zika para comunidades e mulheres em países afetados pela epidemia do vírus.

A iniciativa recebe o apoio da Fundação Bill & Melinda Gates, que liberou 1,5 milhão de dólares em financiamento para as ações – voltadas principalmente para mulheres grávidas vivendo nos Estados Unidos e países das Américas.

A cooperação — que conta também com a participação da Fundação CDC — ­inclui uma campanha de saúde abrangente sobre prevenção contra o zika e pesquisas sobre a percepção de riscos e a falta de informação sobre o vírus nas Américas. O programa também contempla incentivos à participação comunitária no controle do mosquito Aedes aegypti, especialmente para proteger gestantes.

O objetivo é fornecer informações sobre todas as medidas que podem ser tomadas para se proteger da infecção – em especial, a adoção de precauções para evitar as picadas de mosquitos e a possibilidade de transmissão sexual.

Conheça as ações previstas pela parceria

Os CDC lançarão uma campanha multimídia que terá anúncios de serviço público, materiais impressos e digitais e incluirá uma série de eventos com a participação das comunidades de Porto Rico, Ilhas Virgens dos Estados Unidos e a Samoa Americana.

A OPAS/OMS apoiará os países das Américas por meio da implementação de estratégias de comunicação sobre controle vetorial em cada país, a fim de garantir que indivíduos e comunidades contribuam com a luta contra o mosquito transmissor.

O organismo internacional criará ainda uma campanha regional contra o Aedes chamada “Semana de Conscientização sobre o Mosquito”.

Com apoio de parceiros, a agência também realizará a pesquisa Conhecimento, Atitudes e Práticas na América Latina e no Caribe com o intuito de mensurar as percepções de risco e preencher as lacunas de conhecimento relacionadas ao vírus zika.

Estratégias de divulgação também serão fortalecidas com os países por meio de um modelo de formação concebido pela OPAS.

“Temos muito trabalho pela frente, incluindo o desafio de comunicar de maneira eficaz como prevenir a transmissão de zika”, disse a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne. “Agradecemos pelos esforços conjuntos que nos permitem desenvolver ações concretas com as comunidades nas Américas, prevenindo infecções pelo vírus zika e protegendo aqueles que mais precisam”, adicionou.

O diretor dos CDC, Tom Frieden, destacou que “as mulheres grávidas merecem as melhores e mais relevantes informações sobre zika para que possam proteger suas gestações”.

Saiba mais sobre a parceria entre a OPAS, a Fundação CDC e a Fundação Bill & Melinda Gates aqui.