OPAS debate estratégias para combater doenças e melhorar serviços de saúde nas Américas

Comitê Executivo da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) está reunido em Washington para discutir prevenção e monitoramento de arboviroses e a eliminação de doenças tropicais negligenciadas, entre outras pautas de saúde pública.

Hospital de campanha contra dengue é montado na cidade de Brazlândia, no Distrito Federal. Foto: Fabio Pozzebom / Agência Brasil

Hospital de campanha contra dengue é montado na cidade de Brazlândia, no Distrito Federal. Foto: Fabio Pozzebom / Agência Brasil

Até a próxima sexta-feira (24), a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) discute em Washington estratégias para combater doenças e melhorar o acesso a serviços de saúde nas Américas. Entre as pautas que estão sendo discutidas desde segunda (20) na 158ª sessão do Comitê Executivo do organismo regional, estão a prevenção e monitoramento de arboviroses e a eliminação de doenças tropicais negligenciadas.

O encontro também vai debater ações para o controle do HIV e doenças sexualmente transmissíveis e iniciativas de redução do risco de desastres. Segundo a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne, recentemente, a região teve de enfrentar diversos desafios de saúde pública, que incluíram inundações e terremotos.

“Mesmo enquanto lutávamos e respondíamos a esses desastres naturais, nós nas Américas fomos confrontados pelo impacto esmagador da emergente epidemia do vírus zika, que mais uma vez testou a nossa preparação e capacidade de resposta a uma emergência”, disse.

De acordo com a chefe da organismo regional, a agência da ONU “montou respostas eficazes e em tempo oportuno para todos esses desastres e o surto, tomando como base sua vasta experiência em gestão de desastres”.

“Fomos capazes de trabalhar com parceiros para garantir um forte apoio aos nossos Estados-Membros afetados”, acrescentou Etienne, ressaltando a importância de “uma abordagem integrada para a prevenção de zika, dengue, chikungunya e da febre amarela na nova estratégia regional para prevenção e controle de doenças por arbovírus”.

Outros temas que serão discutidos durante o encontro do Comitê Executivo envolvem a resiliência de sistemas de saúde, o acesso e uso racional de medicamentos e outras tecnologias de saúde consideradas estratégicas e de alto custo e a saúde dos migrantes.

A chefe da OPAS alertou que remédios mais caros “estão entre os principais fatores que contribuem para os crescentes custos dos cuidados de saúde com os quais arcam governos, famílias e indivíduos, e estes custos exorbitantes podem impedir negativamente os progressos em direção à saúde universal”.

Sobre o Comitê Executivo da OPAS

Presidido atualmente pela ministra da Saúde Pública do Equador, Margarita Guevara, o Comitê Executivo da OPAS inclui representantes de nove Estados-membros e orienta os temas de cooperação técnica que serão debatidos pelo 55º Conselho Diretor da OPAS ao final de setembro.

Durante a abertura da 158ª sessão do Comitê,  Guevara agradeceu aos países da região e à OPAS pela resposta rápida e apoio após o terremoto que atingiu o Equador em abril.

Os nove países integrantes do grupo são eleitos pela Conferência Sanitária Pan-Americana ou pelo Conselho Diretor da OPAS, por períodos de três anos intervalados. Os Estados — Antígua e Barbuda, Argentina, Bahamas, Chile, Costa Rica, Equador, Guatemala, Trinidad e Tobago e Estados Unidos — reúnem-se duas vezes por ano.