OPAS colabora com Manaus, Amazonas e Ministério da Saúde na resposta à COVID-19

Nesta semana, a representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil, Socorro Gross, acompanhou a visita do ministro da Saúde do país, Nelson Teich, a hospitais de Manaus (AM) e participou das reuniões com autoridades locais sobre as ações desenvolvidas no enfrentamento à COVID-19.

Esse encontro fez parte das ações do Ministério para fortalecer a capacidade de resposta do estado do Amazonas, incluindo o envio de 1,5 milhão de Equipamentos de Proteção Individual, de 40 mil testes de diagnóstico RT-PCR, 90 respiradores, técnicos e profissionais de saúde, entre outras ações.

Foto: Prefeitura de Manaus

Foto: Prefeitura de Manaus

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), em apoio às ações do Ministério da Saúde do Brasil, tem ajudado a fortalecer a capacidade de vigilância e laboratório do município de Manaus e do estado do Amazonas na resposta à doença causada pelo novo coronavírus (COVID-19).

A pedido da pasta e da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) do Amazonas, o organismo internacional auxiliou a contratação de 23 enfermeiros, dois profissionais de biotecnologia, quatro farmacêuticos, três biólogos, seis técnicos de enfermagem e nove digitadores.

Esses especialistas estão atuando na vigilância epidemiológica e hospitalar, no diagnóstico de infecções pelo novo coronavírus, no processamento laboratorial de amostras para identificação de casos de COVID-19 (ou outras doenças) e na digitação de informações para alimentar e manter atualizados bancos de dados do Sistema Único de Saúde (SUS).

A OPAS também desenvolveu com o Ministério da Saúde um programa de treinamento de capacidades, para profissionais de saúde, sobre cuidados a pessoas com caso confirmado ou suspeito de COVID-19 nos diversos setores de assistência, acolhimento, classificação de risco e admissão de pacientes, internação hospitalar e terapia intensiva. O objetivo deste treinamento é garantir a competência profissional para se protegerem e desenvolverem o trabalho com qualidade e segurança.

A Organização Pan-Americana da Saúde ajudou ainda, a pedido da Secretaria de Saúde de Manaus, a fortalecer as capacidades de contenção e resposta rápida a surtos do município para notificação de casos de COVID-19 e sarampo. Esse trabalho de notificação é fundamental para saber onde os vírus estão circulando e adotar estratégias eficazes, com ações de vigilância, isolamento e, no caso do sarampo, intensificação da vacinação.

Nesta semana, a representante da OPAS e da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil, Socorro Gross, acompanhou a visita do ministro da Saúde do país, Nelson Teich, a hospitais de Manaus e participou das reuniões com autoridades locais sobre as ações desenvolvidas no enfrentamento à COVID-19. Esse encontro fez parte das ações do Ministério para fortalecer a capacidade de resposta do estado do Amazonas, incluindo o envio de 1,5 milhão de Equipamentos de Proteção Individual, de 40 mil testes de diagnóstico RT-PCR, 90 respiradores, técnicos e profissionais de saúde, entre outras ações.

Apoio ao Brasil

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) foi fundada em 1902 e é a mais antiga agência internacional de saúde pública do mundo. Em 1949, tornou-se também Escritório Regional para as Américas da OMS (que foi criada no ano anterior).

Nos últimos anos, a OPAS e a OMS têm ajudado o Brasil a enfrentar diversas epidemias, tanto a nível nacional quanto subnacional. Por exemplo, em ações de controle do surto de sarampo nos estados do Amazonas e Roraima e na campanha de imunização do Brasil com doses fracionadas da vacina contra febre amarela. O organismo internacional também colabora com outras atividades de educação permanente e fortalecimento do SUS.

Leia também:
Chega ao Brasil o primeiro lote dos 10 milhões de testes comprados pelo Ministério da Saúde via OPAS