OPAS: ‘Alimentação deve ser prioridade de saúde pública’, dizem ministros de países das Américas

Reunião de ministros da Agricultura e da Saúde no Paraguai debateu combate a doenças infecciosas transmitidas por animais e alimentos contaminados. Autoridades concordaram em criar marcos jurídicos para fortalecer vigilância de cadeias de produção nas Américas.

O comércio líquido de produtos agrícolas na América Latina alcançará 60 bilhões de dólares, uma valor três vezes mais alto do que o registrado em 2000. Foto: SMCS/Jaelson Lucas

Comércio líquido de produtos agrícolas na América Latina alcançará 60 bilhões de dólares, uma valor três vezes mais alto do que o registrado em 2000. Foto: SMCS/Jaelson Lucas

Concluída na semana passada (22), no Paraguai, a 17ª Reunião Interamericana Ministerial de Saúde e Agricultura selou compromissos entre os chefes destas pastas federais de cada país das Américas para promover o combate a zoonoses — doenças infecciosas de animais que podem ser transmitidas para humanos — em todo o continente.

Ao longo do evento — realizado a cada quatro anos pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) —, ministros, equipes técnicas e representantes de organismos internacionais e regionais de 30 países expressaram preocupação com infecções de origem animal e as provocadas por alimentos contaminados.

As autoridades concordaram em criar marcos jurídicos e normativas internas para fortalecer a vigilância e o controle coordenados das cadeias produtoras de comida nas Américas.

O compromisso inclui também a melhoria dos sistemas de alerta, que devem conseguir avisar o mais cedo possível sobre possíveis surtos. Para tanto, os dirigentes solicitaram apoio técnico da OPAS a fim de articular estratégias conjuntas.

Participantes do encontro destacaram a necessidade de uma abordagem abrangente, “do campo à mesa”, para integrar agricultura e saúde nas políticas de prevenção de doenças.

Autoridades presentes também chamaram atenção para os desafios que os Estados americanos enfrentam para “alcançar a cobertura universal de saúde e garantir a segurança alimentar” no continente.

Os chefes e representantes das pastas federais pediram o reconhecimento “da importância dos alimentos como uma prioridade de saúde pública”, considerando o papel primordial que as Américas têm em garantir a segurança alimentar do mundo.

Os dirigentes também pediram à agência regional de saúde da ONU que preste assistência aos países na melhoria de sistemas integrados de monitoramento da produção de alimentos, utilizando tecnologias de informação e comunicação. Outras pautas dos debates incluíram a erradicação da febre aftosa e a luta contra a resistência de bactérias e micróbios a medicamentos para animais.