ONU vai prestar assistência ao Equador para reconstruir infraestrutura e moradias após terremoto

Custos da reconstrução do país podem chegar a 3 bilhões de dólares. Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) já está reunindo informações sobre a situação para elaborar planos de resposta que vão promover o desenvolvimento urbano sustentável ao longo da reconstrução do Equador.

Custos de reconstrução da infraestrutura do Equador podem chegar a 3 bilhões de dólares, segundo governo. Foto: PMA

Custos de reconstrução da infraestrutura do Equador podem chegar a 3 bilhões de dólares, segundo governo. Foto: PMA

O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT) informou na quinta-feira (5) que vai prestar assistência ao Equador no processo de restauração da infraestrutura do país – afetado por um terremoto que deixou cerca de 700 mortos e outros 28 mil feridos. Segundo fontes do governo, os custos da reconstrução de áreas devastadas podem chegar a 3 bilhões de dólares.

A agência da ONU já está atuando junto ao governo, fornecendo serviços de assessoria técnica sobre planejamento urbano, moradia, solo e propriedade, assentamentos litorâneos e gestão de riscos.

“Não é a intervenção humanitária clássica que se centra na ajuda de emergência a curto prazo”, explicou o assessor técnico principal do Programa de Resiliência Urbana da Unidade de Redução de Riscos Urbanos do ONU-Habitat, Esteban León.

“ONU-Habitat está apresentando planos de recuperação que incluem soluções para permitir ao Equador alcançar uma reconstrução estratégica e flexível, que se integre ao desenvolvimento urbano sustentável a longo prazo.”

Léon está avaliando as zonas afetadas no Equador para reunir informações para as equipes da agência das Nações Unidas que chegarão ao país nos próximos dias. Representantes do governo elogiaram a preocupação do ONU-HABITAT com a prevenção e o desenvolvimento a longo prazo.

“A reconstrução no Equador precisa ser fortalecida pela entrega rápida de projetos financiáveis que levem a resultados sólidos e duradouros”, disse o diretor regional da agência da ONU para a América Latina e o Caribe, Elkin Velásquez.