Universidade brasileira adere a iniciativa da ONU pelo fim de mortes de crianças e mulheres até 2030

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Núcleo Educacional de Tecnologia Social e Economia Solidária da UNIFESP é a primeira instituição brasileira a se comprometer com o programa ‘Cada Mulher, Cada Criança’. Iniciativa do secretário-geral da ONU quer enfrentar os principais desafios de saúde enfrentados pelas mulheres e crianças em todo o mundo – e busca outros parceiros no Brasil que queiram se envolver na causa.

Posha, que vive com com HIV, participou de um programa que forneceu os antirretrovirais para prevenir a transmissão do HIV de mãe para filho. Foto: UNICEF/Marinovich

Posha, que vive com com HIV, participou de um programa que forneceu os antirretrovirais para prevenir a transmissão do HIV de mãe para filho. Foto: UNICEF/Marinovich

A iniciativa ‘Cada Mulher, Cada Criança’ lançou em setembro a Estratégia Global para a Saúde de Mulheres, Crianças e Adolescentes. Promovido pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, o evento de lançamento reuniu mais de 500 representantes de governos, das Nações Unidas, do setor privado, da sociedade civil e da juventude. Mais de 100 organizações e 40 países estabeleceram o compromisso de investir em saúde e impedir mortes evitáveis de crianças, adolescentes e mulheres até 2030.

O Núcleo Educacional de Tecnologia Social e Economia Solidária (NETES), programa de extensão da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), foi a primeira instituição brasileira a firmar compromisso com o programa ‘Cada Mulher, Cada Criança’, que está aberto a parcerias.

Entre os compromissos assumidos pela UNIFESP com o programa estão difundir e construir um banco de dados, informações e inovações em tecnologias sociais existentes no Brasil que sejam replicáveis na área da saúde, da qualidade de vida e da sustentabilidade. Com isso, o grupo quer criar um mecanismo de difusão dessas tecnologias de baixo custo e alta relevância social; promover um ambiente virtual de aprendizagem para difusão de tecnologias sociais para crianças e jovens; e promover empreendimentos e ações de intervenção em comunidades com grande vulnerabilidade social, econômica e ambiental no Vale do Paraíba e com replicabilidade em outras regiões similares do Brasil.

O Núcleo também se comprometeu com a ONU a criar uma rede de jovens com formação em economia solidária e tecnologia social; realizar um levantamento e a consolidação de dados que proporcionem o melhor planejamento e desenvolvimento de políticas de melhoria de vida; e criar e difundir tecnologias sociais – de baixo custo – para a melhoria de condições sanitárias em comunidades vulneráveis do Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo.

Segundo os autores da iniciativa, uma das primeiras na América Latina, o público-alvo das ações do compromisso firmado são prioritariamente jovens e mulheres com alta vulnerabilidade econômica, social e ambiental, além de estarem previstas ações diretas e indiretas com crianças.

O projeto ‘Cada Mulher, Cada Criança’, promovido pelo escritório do secretário-geral da ONU e diversos parceiros, é um movimento internacional que fortalece a ação de governos, setor privado e sociedade civil para superar os desafios na área da saúde e no cuidado às mulheres e crianças, com atuação desde 2010. A iniciativa é potencializada pela Estratégia Global para a Saúde das Mulheres, Crianças e Adolescentes, responsável por adquirir financiamento para a causa, analisar políticas e desenvolver serviços para as mulheres e crianças mais vulneráveis.

No evento de inauguração, o chefe da ONU listou as prioridades do movimento. “Primeiro, sobrevivência. Nós queremos acabar com as mortes de crianças e mulheres por doenças que podem ser prevenidas, até 2030. Segundo, queremos garantir que todas as mulheres, crianças e adolescentes prosperem. Terceiro, nos comprometemos a transformar o mundo em um lugar em que mulheres, crianças e adolescentes vivam”, afirmou Ban Ki-moon.

Saiba como a sua organização pode fazer parte desta causa clicando aqui.


Comente

comentários