ONU: Retomada do crescimento econômico na América Latina não pode atropelar avanços sociais

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

No Fórum Econômico Mundial, representante da CEPAL ressaltou necessidade de estimular inovação tecnológica e investir em educação dos jovens, que são grande contingente da população latina.

Foto: Pixabay (CC)

Foto: Pixabay (CC)

Durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, a secretária executiva da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, ressaltou a necessidade de a região adotar um desenvolvimento sustentável que possibilite a retomada do crescimento econômico, fomentando novas coalizões entre setores público, privado e cidadania.

Durante o encontro, Bárcena ressaltou as possibilidades de avanço da América Latina e Caribe por meio do investimento nas infraestruturas energética e digital, com estímulos à inovação tecnológica como forma de aumentar a produtividade e acesso aos cidadãos.

No entanto, ela também destacou que, em um contexto de tentativa de retomada do crescimento na região, que apresenta desaceleração da economia, é importante proteger os avanços sociais conquistados na última década, como redução da pobreza, melhora da distribuição de renda e inclusão.
“O investimento público e privado atuando em conjunto é a opção para potencializar a inovação e a inclusão social. Existem enormes oportunidades na criação de um mercado único digital para ampliar a conectividade para todos os cantos da região”, afirmou Bárcena.

Ela lembrou que em 2015, o PIB regional diminuiu 0,4% e 2016 tem previsão de expandir apenas 0,2%, com desempenho heterogêneo entre os países e sub-regiões. Ela também chamou a atenção para o problema da evasão e elisão fiscal de impostos, que, segundo estimativas de 2014, equivale a 4% do PBI regional.

Para Bárcena, no entanto, a região tem mais solidez econômica do que em contextos anteriores de retração econômica, enfatizando a importância de estimular setores que dinamizarão as exportações e o crescimento no futuro, como as energias renováveis e serviços que proporcionem um desenvolvimento urbano limpo e inteligente.

Lembrando ainda do potencial da região por conta da grande proporção de jovens, ela destacou a importância da melhora nos sistemas educativos e de formação técnica, para que os jovens sejam parte ativa da revolução digital e tecnológica.

Como presidenta do Conselho para a Agenda Global sobre América Latina do Fórum, Bárcena levará os temas e debates realizados neste evento para uma versão regional do Fórum Econômico Mundial, que acontecerá em Medellín, na Colômbia, nos dias 16 e 17 de junho deste ano.


Mais notícias de:

Comente

comentários