ONU quer universalizar energia elétrica até 2030

A estimativa é de que investimento adicional de US$ 40 bi ao ano amplie serviço para 1,4 bilhão de pessoas no mundo.

Meta é universalizar serviço / Foto ONUA ONU estima que atualmente 1,4 bilhão de pessoas sofram com a falta de acesso a serviços modernos de energia. Universalizar o consumo de energia elétrica até 2030 demanda investimento adicional de US$ 40 bilhões por ano, o que representa menos de 3% do montante global aplicado no setor.

Para enfrentar tal situação, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) se junta à Agência Internacional de Energia (AIE) e à Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) em um chamado global para universalizar o acesso à eletricidade até 2030.

“As três metas que estão sendo propostas para 2030 são: acesso universal à energia, redução de 40% no consumo e o alcance da marca de 30% em energia renovável dentro do mix global dos recursos elétricos”, disse a administradora associada do PNUD, Rebeca Grynspan.

Uma dos desafios do setor é uma distribuição mais igualitária de energia, pois os 75% mais pobres do mundo utilizam apenas 10% da oferta global. Além disso, 85% das pessoas sem acesso ao recurso vivem em áreas rurais. No Brasil, o problema atinge 2,2% da população, segundo dados do PNUD referentes a 2008.

Em dezembro do ano passado as Nações Unidas designaram 2012 como o “Ano Internacional para a Energia Sustentável para Todos”. O tema será um dos principais assuntos tratados em eventos globais como a conferência Rio+20, que será realizada em junho no Rio de Janeiro. Além disso, na última década, o PNUD ajudou países a investir mais de US$ 2,5 bilhões em projetos que levaram energia sustentável a 10 milhões de pessoas em todo o mundo.