ONU promove semana de inovação agrícola com gigantes da tecnologia

Agências da ONU e do governo do Uruguai reúnem nesta semana, em Montevidéu, gigantes da tecnologia e representantes do setor agrícola para discutir como as ferramentas digitais podem impulsionar a produção sustentável no campo. Até quinta-feira (8), a chamada Semana de Inovação debate usos da conexão 5G, dos ‘big data’ e da inteligência artificial com especialistas da Microsoft, Huawei e Telefónica.

Drone utilizado no monitoramento de plantações. Foto: Pixabay

Drone utilizado no monitoramento de plantações. Foto: Pixabay

Agências da ONU e do governo do Uruguai reúnem nesta semana, em Montevidéu, gigantes da tecnologia e representantes do setor agrícola para discutir como as ferramentas digitais podem impulsionar a produção sustentável no campo. Até quinta-feira (8), a chamada Semana de Inovação debate usos da conexão 5G, dos big data e da inteligência artificial com especialistas da Microsoft, Huawei e Telefónica.

O evento, que teve início na segunda-feira (5), é promovido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) e pela Administração Nacional de Telecomunicações do Uruguai (ANTEL).

“A inovação digital na agricultura representa uma grande oportunidade para erradicar a pobreza e a fome e mitigar os efeitos das mudanças climáticas”, afirma o diretor de Políticas de Desenvolvimento Rural da FAO, Luiz Beduschi.

Ao longo dos próximos dias, o encontro em Montevidéu vai debater como a tecnologia pode impulsionar o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) na América Latina e Caribe. A semana tem a participação de representantes do setor privado, de governos da região, da sociedade civil, de organizações de produtores e da área de pesquisa e inovação. Entre as empresas presentes, estão Mobile Cocoa, Colun, Huawei, Microsoft, Maser, Practical Action e Telefónica.

Segundo a FAO, a digitalização vai modificar toda a cadeia produtiva agroalimentar, uma vez que a hiperconectividade e o processamento de informação em tempo instantâneo permitem um trabalho mais eficiente e geram um maior impacto social.

Mas para que essas mudanças ocorram, aponta a agência da ONU, os países latino-americanos e caribenhos precisam fortalecer a infraestrutura no meio rural e promover o desenvolvimento das comunidades do campo.

“Não apenas os agricultores precisam estar prontos para essas novas mudanças, mas também são necessários governos para promover essas experiências, ao lado de uma ampla variedade de parceiros, como investidores privados, fundos de investimento de impacto, ONGs, entre muitos outros”, aponta Beduschi, que acrescentou que o papel da FAO será estratégico para facilitar o diálogo entre empresas, agricultores e governos.

De acordo com o Panorama da Pobreza Rural da FAO na América Latina e Caribe, a miséria no campo voltou a crescer na região após dez anos, com um aumento de 2 milhões no número de pessoas em situação de pobreza durante o período 2014-2016. O cenário torna ainda mais necessária a busca por políticas inovadoras para as comunidades agrícolas.