ONU premia voluntária jordaniana pelo seu trabalho em auxílio a refugiados sírios

Abeer Khreisha é conhecida como “mãe dos sírios” por ajudar refugiados que chegam à Jordânia escapando do conflito na Síria.

A senhora de 50 anos trabalha há 20 como voluntária em um centro comunitário na cidade de Madaba, ajudando jordanianos e sírios em situação de vulnerabilidade. Ela mantém contato regular com as famílias que apoiou e realiza doze visitas domiciliares por dia para se certificar de que estão bem.

Por esse trabalho, ela foi a vencedora regional do Oriente Médio do Prêmio Nansen 2019, concedido anualmente pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em reconhecimento àqueles que se esforçam para apoiar refugiados e pessoas deslocadas ao redor do mundo.

Abeer Khreisha, vencedora regional do Oriente Médio do Prêmio Nansen, do ACNUR, em sua casa na Jordânia. Foto: ACNUR | Diego Ibarra Sánchez.

Abeer Khreisha, vencedora regional do Oriente Médio do Prêmio Nansen, do ACNUR, em sua casa na Jordânia. Foto: ACNUR | Diego Ibarra Sánchez.

Há sete anos, o conflito da Síria tem levado milhares de refugiados à Madaba, uma cidade histórica localizada a 30 quilômetros da capital da Jordânia, Amã. A voluntária local, Abeer Khreisha, se acostumou a ser acordada a qualquer momento pelo toque de seu celular.

“Eu nunca desligo o telefone”, afirmou Khreisha. “Às vezes, recebo ligações no meio da noite.”

No começo, amigos ou parentes compartilhavam o número de Khreisha com os refugiados recém-chegados, que eram previamente informados de que era ela quem os ajudaria. “Eu fui a primeira pessoa que muitos deles conheceram quando chegaram”, relatou.

Atualmente, a maioria das pessoas que precisa de ajuda com comida, aluguel ou educação dos filhos são pessoas conhecidas. Mas qualquer que seja o problema, elas sabem que a sorridente mulher de 50 anos, conhecida carinhosamente como “a mãe dos sírios”, sempre atenderá o chamado e fará tudo o que estiver ao seu alcance para ajudar.

Caridade em prol dos mais vulneráveis

Abeer Khreisha brinca com uma criança refugiada síria em um centro comunitário em Madaba, na Jordânia. Foto: ACNUR | Diego Ibarra Sánchez.

Abeer Khreisha brinca com uma criança refugiada síria em um centro comunitário em Madaba, na Jordânia. Foto: ACNUR | Diego Ibarra Sánchez.

Khreisha trabalha como voluntária em Madaba há quase 20 anos, em um centro comunitário local administrado pelo Fundo Hachemita da Jordânia para o Desenvolvimento Humano, ajudando jordanianos ​​e sírios em situação de vulnerabilidade.

Segundo ela, foi graças aos esforços do pai em ajudar os necessitados que ela possui um aguçado instinto de caridade.

O número de pessoas que precisam da ajuda de Khreisha aumentou significativamente desde 2012, quando refugiados do conflito da Síria começaram a chegar a Madaba em grande número.

“Comecei a fazer visitas domiciliares e percebi o tamanho do sofrimento deles”, lembrou Khreisha. “O estado psicológico deles era muito ruim e alguns dormiam no chão.”

12 visitas por dia aos amigos

Sabriyah, de Homs, é uma das muitas refugiadas sírias que Khreisha ajudou. Sabriyah tem três filhos e vive na Jordânia há cinco anos. Foto: ACNUR | Diego Ibarra Sánchez.

Sabriyah, de Homs, é uma das muitas refugiadas sírias que Khreisha ajudou. Sabriyah tem três filhos e vive na Jordânia há cinco anos. Foto: ACNUR | Diego Ibarra Sánchez.

Khreisha mantém contato regular com as famílias que conheceu e continua a fazer uma dúzia de visitas domiciliares por dia para se certificar de que estão bem.

“Não encaro isso como trabalho, pois fiz amizades. Agora conheço quase todas as famílias sírias que moram aqui”, apontou Khreisha.

Resposta humanitária ao fluxo de refugiados sírios na Jordânia

Atualmente, mais de 13 mil refugiados sírios registrados vivem em Madaba, uma cidade com população total de cerca de 80 mil.

O governo da Jordânia tem destinado esforços e recursos significativos para acolher os 660 mil refugiados sírios registrados que vivem no país, mas a solidariedade demonstrada por pessoas como Khreisha também desempenha um papel vital.

O financiamento de agências humanitárias em apoio aos refugiados sírios atualmente arrecadou apenas 30% do total necessário para manter, neste ano, o trabalho humanitário na Jordânia e região.

Khreisha dedica grande parte de seu tempo e energia para ajudar os casos mais vulneráveis ​​que encontra, incluindo crianças que perderam um ou ambos os pais, mães solteiras, idosos e pessoas com deficiência.

À medida que a crise se arrasta, a vulnerabilidade é comum entre os refugiados sírios na Jordânia. Os números de 2019 mostram que quase 80% deles agora vivem abaixo da linha da pobreza – ou seja, sobrevivem com menos de três dólares por dia.

A mãe dos sírios em Madaba

A popularidade de Khreisha pode ser comprovada em um dia em meio às atividades mensais que ela ajuda a organizar para jovens refugiados em um salão local.

Apesar da presença de palhaços, pernas-de-pau e vários voluntários entusiasmados vestidos como personagens populares da Disney, Khreisha continua sendo o centro das atenções entre as crianças sírias em Madaba.

“Não há ninguém como Abeer”, apontou o refugiado sírio Ibtisam, que levou sua filha para aproveitar o dia. “Minha filha a ama – ela sempre a convida para esses eventos.”

Além de organizar atividades para jovens, Khreisha usa seus conhecimentos e contatos locais para ajudar refugiados a encontrar lares, escolas e trabalho. Quando pode, ela também tira dinheiro do próprio bolso para ajudar com o aluguel, comida e outros itens essenciais.

Ajudando pessoas a reconstruir suas vidas

Este slideshow necessita de JavaScript.

A refugiada síria Haifaa chegou a Madaba em 2013 e foi apresentado a Khreisha por um parente que já morava na cidade. Na época, a mulher de 48 anos, natural da cidade síria de Homs, tinha três filhos com deficiência e nenhum meio de sustentá-los.

“Vim para a Jordânia sem nada”, comentou Haifaa. “Eu era costureira na Síria. [Khreisha] comprou móveis para a nossa casa. Ela comprou uma máquina de costura para mim e contou às pessoas sobre o meu trabalho. Ela é piedosa, bondosa e generosa. Não importa o que eu diga e o quanto eu diga, nunca é suficiente”, elogiou Haifaa.

Khreisha diz que ajudar pessoas como Haifaa, seja incentivando ao trabalho ou à educação, lhe traz satisfação.

“Haifaa agora é uma costureira popular em Madaba. Ela trabalha para prover para sua família. Tenho orgulho de saber que as pessoas que ajudei agora são capazes de se sustentar”, afirmou Khreisha.

Abeer Khreisha – vencedora do Prêmio Nansen 2019

Por seu trabalho em ajudar refugiados sírios, Khreisha foi escolhida como vencedora regional do Oriente Médio do Prêmio Nansen da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) em 2019.

O Prêmio homenageia anualmente aqueles que se esforçam para apoiar refugiados e pessoas deslocadas em diferentes partes do mundo.

“Eu não comecei este trabalho em busca de sucesso. Ajudar as pessoas é a própria recompensa. Mas esse prêmio me dá a motivação para continuar e fazer ainda mais”, concluiu a “mãe dos sírios” na Jordânia.

Leia aqui a história do vencedor do Prêmio Nansen 2019 para a região da Ásia.

Leia aqui a história da vencedora do Prêmio Nansen 2019 para a região das Américas.