ONU pede respeito ao trabalho das agências humanitárias após ataques de morteiros na Somália

A continuação dos ataques com morteiros na capital da Somália matou três pessoas ontem e deixou oito feridas. Em duas semanas, é o segundo ataque a campos de refugiados internos.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) pediu hoje (27/03) respeito ao trabalho das agências humanitárias em Mogadíscio e com a vida de civis. A continuação dos ataques com morteiros na capital da Somália matou três pessoas ontem.

De acordo com o porta-voz do ACNUR, Melissa Fleming, vários morteiros foram disparados no assentamento de Darawiishta Beerta para deslocados internos (IDPs) perto do edifício do Parlamento da Somália, na manhã de segunda-feira. Três deslocados internos foram mortos, incluindo um pai e uma criança de três anos de idade e outras oito pessoas ficaram gravemente feridas.

A Somália é marcada pela disputa entre membros do movimento combatente al Shabaab e das tropas pertencentes ao Governo de Transição Federal (GTF), com o apoio das forças de paz da Missão da União Africana na Somália (AMISOM).

“Acredita-se que o alvo do ataque foram as forças de apoio ao governo perto do edifício do parlamento,” disse Fleming. “No entanto, assim como em um ataque similar na semana passada no palácio presidencial Villa Somalia (…) os morteiros não atingiram o alvo e em vez disso caíram sobre os deslocados.”