ONU pede que Israel respeite lei internacional e alerta sobre aprisionamento de palestinos

As medidas propostas para resolver a questão incluem solicitar o parecer consultivo da CIJ e obter a adoção de uma resolução da Assembleia Geral sobre a questão.

Presidente do Comitê para o Exercício dos Direitos Inalienáveis ​​do Povo Palestino Abdou Salam Diallo. (ONU/Evan Schneider)Reafirmando o direito de Israel viver em segurança, o presidente do  Comitê das Nações Undias sobre o Exercício dos Direitos Inalienáveis do Povo Palestino, Abdou Salam Diallo, disse estar atento à indignação do mundo tendo em vista o tratamento dos prisioneiros palestinos nas prisões de Israel e frisou que a lei internacional deve ser respeitada.

O discurso de Salam Diallo fez parte do encerramento do Encontro Internacional sobre a Questão da Palestina na última quarta-feira (04/04), que buscou conscientizar e mobilizar a comunidade internacional para garantir a libertação dos presos e sua reintegração social. O encontro foi dividido em três áreas temáticas: os aspectos legal e humanitário das detenções; o status das detenções perante a lei internacional; e a condição dos prisioneiros políticos no processo palestino-israelense.

As medidas propostas incluem o uso de mecanismos existentes de reparação, tais como solicitar o parecer consultivo da Corte Internacional de Justiça sobre a questão do estado dos prisioneiros de guerra e obter a adoção de uma resolução da Assembleia Geral sobre a questão. Para Salam Diallo, iniciativas internacionais no nível diplomático, conjuntamente a iniciativas da sociedade civil, poderiam certamente levar a uma melhoria da situação dos prisioneiros palestinos.