ONU pede mais recursos para 2,2 milhões de pessoas na República Centro-Africana

Agências da ONU alertam que situação dos civis dentro do país é grave. Assistência alimentar e melhoria da segurança interna são prioridades para garantir o futuro da população centro-africana.

Agências da ONU alertam que situação dos civis dentro do país é grave. Assistência alimentar e melhoria da segurança interna são prioridades para garantir o futuro da população centro-africana.

Um homem e seu filho caminham por um local lotado de pessoas deslocadas internamente na capital da República Centro-Africana, Bangui, onde muitas pessoas permanecem em risco. Foto: ACNUR/S. Phelps

Um homem e seu filho caminham por um local lotado de pessoas deslocadas internamente na capital da República Centro-Africana, Bangui, onde muitas pessoas permanecem em risco. Foto: ACNUR/S. Phelps

A violência em toda a República Centro-Africana (RCA) continua inabalável. Agências das Nações Unidas estão extremamente preocupadas com a situação dos civis dentro do país e alertam que a crise ameaça se espalhar pela região, com milhares de pessoas fugindo dos conflitos e procurando refúgio nos países vizinhos.

“Estamos diante de uma crise regional que vai muito além das fronteiras da República Centro-Africana. Essas pessoas – a maioria mulheres e crianças – viram suas casas queimadas, testemunharam indescritível violência e não tiveram escolha, a não ser ir embora”, disse a diretora regional para a África Ocidental do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Denise Brown.

“Elas precisam desesperadamente de assistência alimentar e nutricional e outros tipos de apoio, tanto dentro da RCA quanto nos países vizinhos. Elas precisam [de assistência] agora e não deveriam ter que esperar”, disse Brown.

Por causa do financiamento insuficiente, o PMA disse estar preocupado por não saber se conseguirá satisfazer as necessidades dessas pessoas extremamente vulneráveis.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) informou que mais de 15 mil pessoas em 18 localidades do noroeste e sudoeste do país estão cercados e sendo ameaçados por grupos armados. “Essas populações estão em alto risco de [sofrerem] ataque e precisam urgentemente de uma segurança melhorada”, disse o porta-voz do ACNUR, Adrian Edwards, a jornalistas em Genebra.

Na semana passada o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, apresentou uma iniciativa de seis pontos para abordar as prioridades e necessidades mais urgentes na RCA, incluindo mais tropas e polícia, aumento dos esforços para o processo de paz, apoio ao Governo, financiamento de ajuda humanitária e a prestação de contas. Em mensagem, Ban afirmou que os centro-africanos não estão sozinhos.