ONU pede cooperação de Irã e Coreia do Norte com agência de energia atômica

AIEA afirma não ter registro das atividades nucleares da Coreia do Norte desde 2009 nem garatias sobre finalidade de programa nuclear iraniano.

Chefe da AIEA, Yukiya Amano, em conferência na Áustria. Foto: AIEA/ Dean Calma

O chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, ressaltou nesta segunda-feira (9) que o Irã e a Coreia do Norte precisam cooperar com a ONU e divulgar dados mais específicos sobre suas atividades nucleares.

“As declarações da Coreia do Norte sobre um terceiro teste nuclear e sua intenção de reiniciar suas instalações nucleares em Yongbyon, além de suas declarações anteriores sobre as atividades de enriquecimento de urânio e a construção de um reator de água leve, são profundamente lamentáveis”, disse Amano, no início da Conferência Geral anual da agência em Viena, Áustria, que reúne representantes dos 155 Estados-Membros da AIEA.

“Tais ações violam claramente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU”, acrescentou, destacando que a agência não consegue monitorar as atividades atômicas na Coreia do Norte desde 2009, o que limita o conhecimento do programa nuclear do país.

Sobre o Irã, Amano disse que o país não está cooperando o suficiente para fornecer garantias sobre o fim de atividades e materiais nucleares, “portanto, a agência não pode concluir que o material nuclear iraniano será somente utilizado para fins pacíficos”.

O programa nuclear do Irã – que seus funcionários já afirmaram ter fins pacíficos, mas que outros países alegam ser impulsionado por ambições militares – tem sido motivo de preocupação internacional desde a sua descoberta, em 2003, visto que o país tinha escondido suas atividades nucleares por 18 anos, em violação às obrigações sob o Tratado da Não Proliferação Nuclear.