ONU pede agilidade e transparência nas eleições na Nigéria

Inicialmente prevista para o próximo dia 14 de fevereiro, disputa presidencial foi adiada.

Após a decisão da Comissão Eleitoral Independente da Nigéria de adiar as eleições gerais, inicialmente previstas para 14 de fevereiro, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu neste domingo (8) que as autoridades eleitorais tomem todas as medidas necessárias, tais como a rápida distribuição dos cartões eleitorais, para permitir que todos os cidadãos elegíveis, incluindo os deslocados, exerçam o seu direito de voto em tempo hábil.

“Este é um imperativo para garantir eleições credíveis, livres e transparentes”, disse o secretário-geral em um comunicado divulgado por seu porta-voz, observando que Ban Ki-moon falou por telefone com o presidente Goodluck Jonathan e com o candidato da oposição Muhammadu Buhari nos últimos dias.

Nas conversas, o secretário-geral encorajou o respeito ao Acordo de Abuja, que compromete ambos os lados com a não violência, a paz e a tolerância durante as eleições.

Ban Ki-moon disse esperar que as autoridades da Nigéria mantenham seu compromisso de garantir uma eleição livre de violência e ponham em prática as medidas de segurança adequadas para que os cidadãos de todo o país sejam capazes de exercer o seu dever cívico de forma segura e sem medo.

O chefe da ONU afirmou também que espera que as próximas eleições correspondam às expectativas do povo nigeriano e da comunidade internacional.

“A realização bem-sucedida destas eleições fortaleceria a democracia da Nigéria e permitiria que o país continue a desempenhar um papel de liderança na promoção da paz e da segurança regional”, disse o comunicado.