ONU pede 817 milhões de dólares para refugiados palestinos na Síria e territórios ocupados

Palestinos caminham para casa apesar da devastação do campo de refugiados em Yarmouk, onde restrições de ajuda continuam a impactar severamente a vida das pessoas (junho 2014). Foto: Rami Al Sayyed/UNRWA

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) fez um chamado de emergência nesta quinta-feira (14) pedindo 817 milhões de dólares para a Síria e territórios palestinos ocupados, que seguem sentindo os efeitos do conflito, ocupação e bloqueio.

Segundo a agência, a maioria dos 450 mil refugiados palestinos na Síria é de deslocados internos, e 95% deles dependem da assistência da UNRWA. Muitos fugiram para o Líbano e Jordânia, que mesmo com a generosidade dos países, sofrem com marginalização crescente.

Com quase 50 anos de ocupação e dez de bloqueio, os Territórios Palestinos Ocupados contam com uma população cada vez mais dependente de ajuda humanitária. Em Gaza, essa cifra passou de 80 mil no ano 2000 para mais de 830 mil atualmente.

“Diante da falta de perspectivas de soluções políticas, a UNRWA mobilizará suas equipes humanitárias e seu compromisso para fazer frente às múltiplas necessidades urgentes que encaram os refugiados da Palestina”, afirmou o comissário-geral da UNRWA, Pierre Krähenbühl.

Os programas da agência terão como prioridade as necessidades dos refugiados palestinos que enfrentam deslocamentos e demolição de suas casas, assim como os esforços de reconstrução em Gaza.

Na Síria, será feito um dos maiores operações de emergência já realizados em zona de conflito. Também serão implementados programas inovadores educativos, incluindo materiais de estudo à distância e um canal de televisão por satélite: UNRWA TV.

A agência é financiada quase em sua totalidade por doações voluntárias. Com o aumento das necessidades, a ONU estima que o déficit orçamentário chegue a 81 milhões de dólares em 2016.