ONU participa em debate sobre filme que retrata jornada de refugiados pelo mundo

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Diretor do Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, foi convidado a participar de um debate no Centro de Artes da UFF, em Niterói, sobre o tema do refúgio no mundo. O evento aberto contou com um público de mais de 200 estudantes e docentes. O encontro tratou do tema dos refugiados a partir do filme “Exodus: De onde vim não existe mais”.

Foto: Cine Arte UFF

Foto: Cine Arte UFF

No final de setembro (28), o diretor do Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), Maurizio Giuliano, foi convidado a participar de um debate no Centro de Artes da Universidade Federal Fluminense (Cine Arte UFF), na cidade de Niterói, sobre o tema do refúgio no mundo. O evento aberto contou com um público de mais de 200 estudantes e docentes.

O encontro tratou do tema dos refugiados a partir do filme “Exodus: De onde vim não existe mais”, exibido antes do debate. O filme, produzido pelo brasileiro Fernando Sapelli, que também participou debate, e narrado por Wagner Moura, acompanha a jornada de seis refugiados: Napuli, Tarcha, Bruno, Dana, Nizar, Lahtow e Mahka.

A história narra o estado do mundo frente à crise dos refugiados que se espalhou por todo o planeta, visto que cada vez mais pessoas deixam seus lares para fugirem por motivos diversos, como guerras e epidemias, buscando um porto seguro para recomeçar suas vidas.

Família saarauí fotografada durante patrulha de rotina da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental (MINURSO). Foto: ONU/Martine Perret

Família saarauí fotografada durante patrulha de rotina da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental (MINURSO). Foto: ONU/Martine Perret

Giuliano, junto com Sapelli, mediou o debate destacando a importância do tema e respondendo perguntas. Após perguntar à plateia se alguém tinha visitado algum dos países e regiões retratados no filme – Sudão do Sul, Saara Ocidental, Síria, Togo, Mianmar, Marrocos, Palestina, entre outros –, o diretor do UNIC Rio mencionou a importância de conhecer e entender os contextos dos quais os refugiados estão fugindo, concentrados não só no Oriente Médio mas também em outras regiões.

Boa parte de debate foi sobre a questão do Saara Occidental. “É uma das situações de conflito e de refúgio que está em perigo de ser esquecida no mundo”, disse Giuliano. “Se por um lado a Frente Polisario e Marrocos parecem comprometidos a não voltar a uma situação de conflito, os saaráui ainda são um povo sem terra e isso não é aceitável”, acrescentou.

A ONU tem mediado as negociações desde 1991. Giuliano disse que é indispensável retomar as negociações para que o povo do Saara Ocidental possa escolher o seu futuro, no âmbito da autodeterminação que a ONU sempre tem defendido.

Criança fotografada na cidade de Dakhla, no Saara Ocidental. Foto: ONU/Evan Schneider

Criança fotografada na cidade de Dakhla, no Saara Ocidental. Foto: ONU/Evan Schneider

O filme, além de retratar histórias individuais a partir dos conflitos dos países de origem, retrata as dificuldades que os refugiados enfrentam para legalizar sua permanência nos países de acolhimento, cujo problema nem sempre é tratado com a devida atenção.

Segundo o último relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), mais de 65,6 milhões de pessoas foram forçadas a deixar seus locais de origem por ocasião de diferentes tipos de conflito. Destes, 22,5 milhões são refugiados.

Além do grave conflito sírio, que já deslocou 5,5 milhões de pessoas, o Sudão do Sul atingiu de forma muito rápida a marca de 1,4 milhão de refugiados até 2016. Ao todo, o número total representa uma população maior que a do Reino Unido, a 21º nação mais populosa do mundo.

Confira o trailer do filme:


Mais notícias de:

Comente

comentários