ONU no Chile manifesta preocupação com atos de violência em marcha pelo aborto

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O Sistema das Nações Unidas no Chile manifestou na sexta-feira (27) preocupação diante dos atos de violência ocorridos na quarta-feira (25) em Santiago, durante a marcha pelo “Aborto livre, seguro e gratuito”, na qual três mulheres e um policial foram agredidos.

“Todas as pessoas, mulheres e homens, sem distinção, têm direito à liberdade de se manifestar e de se expressar pacificamente sem temer represálias de pessoas ou grupos com opinião contrária”, disse nota publicada pelo Sistema ONU no país.

Marcha pelo aborto livre, seguro e gratuito ocorrida em Santiago, no Chile, em 25 de julho de 2018. Foto: Flickr/Fran[zi]s[ko]Vicencio (CC)

Marcha pelo aborto livre, seguro e gratuito ocorrida em Santiago, no Chile, em 25 de julho de 2018. Foto: Flickr/Fran[zi]s[ko]Vicencio (CC)

O Sistema das Nações Unidas no Chile manifestou na sexta-feira (27) preocupação diante dos atos de violência ocorridos na quarta-feira (25) em Santiago, durante a marcha pelo “Aborto livre, seguro e gratuito”, na qual três mulheres e um policial foram agredidos.

“Todas as pessoas, mulheres e homens, sem distinção, têm direito à liberdade de se manifestar e de se expressar pacificamente sem temer represálias de pessoas ou grupos com opinião contrária”, disse nota publicada pelo Sistema ONU no país.

“O Sistema ONU condena todos os tipos de violência e valoriza a resposta das autoridades nacionais para que essas ações não fiquem impunes. Também reitera o mandato e o compromisso (das Nações Unidas) de continuar apoiando todos os esforços para acabar com a violência de gênero”, disse a nota.

Segundo o Sistema ONU no Chile, a liberdade de participação e manifestação pacífica é um direito humano, reconhecido como tal pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, e deve ser respeitado em todas as sociedades, sem exceção.

Segundo a imprensa internacional, três mulheres foram esfaqueadas ao participar de manifestação pela legalização do aborto em Santiago na quarta-feira (25). As vítimas foram atingidas por homens encapuzados que, no fim do ato, entraram em confronto com policiais, deixando um deles ferido, de acordo com as agências de notícias.


Comente

comentários