ONU lança rede global para acabar com disparidade salarial entre homens e mulheres

O lançamento da rede global pela igualdade de gênero em Nova Iorque teve a participação da atriz norte-americana Patricia Arquette. Foto: ONU Mulheres/Ryan Brown

A ONU se juntou à atriz norte-americana Patricia Arquette e ativistas da área de igualdade de gênero na terça-feira (14) para o lançamento de uma rede global que visa a pôr fim à disparidade salarial entre homens e mulheres.

O evento de lançamento foi organizado pela ONU Mulheres e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), e realizado na sede da Organização, em Nova Iorque, paralelamente à 61ª sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher (CSW).

Segundo relatório da OIT, na média global, as mulheres ganham apenas 77 centavos para cada dólar recebido pelos homens. Ao longo do tempo, a desigualdade de renda resulta em mais mulheres se aposentando na pobreza.

“A diferença salarial entre homens e mulheres reflete a posição injustificadamente diminuída de muitas mulheres na sociedade e ajuda a mantê-las nessa situação”, afirmou a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka.

Quando recebeu o Oscar de melhor atriz coadjuvante em 2015, Patricia Arquette levantou a questão das lacunas de salários entre homens e mulheres em Hollywood e nos Estados Unidos.

Segundo a atriz, “ainda há um grande roubo em curso de 23% do salário das mulheres globalmente”.

Ela defendeu ser importante que as mulheres tenham igualdade tanto nos Estados Unidos como em todo o mundo. “As mulheres, às vezes, se tornam invisíveis quando não são vistas além do valor dos homens com quem estão”.

O objetivo da “Plataforma Igualdade de Remuneração dos Campeões“, que reunirá organizações do mundo todo, é pedir um maior apoio proativo, a fim de chegar aos empregadores e políticos, de acordo com um comunicado de imprensa do evento.

Além do lançamento da plataforma, a ONU Mulheres deu início também à campanha “StopTheRobbery” (“Pare com o Roubo”, em tradução livre), cujo objetivo é mobilizar as pessoas e aumentar a conscientização acerca da diferença salarial entre homens e mulheres.