ONU intensifica ação para prevenir danos ao desenvolvimento de crianças no Chifre da África

Programa Mundial de Alimentos começará neste sábado a distribuir alimentos em escolas e campos de refugiados. Grávidas e crianças com menos de cinco anos serão prioridades.

Somalis que chegam ao campo de refugiados na Etiópia estão muitas vezes mal nutridos e exaustos.O Programa Mundial de Alimentos (PMA) afirmou que começará a distribuir neste sábado (20/08) alimentos para crianças com menos de três anos, bem como para grávidas e mães em amamentação, em regiões afetadas pela seca no Quênia. A ação faz parte dos programas das Nações Unidas para prevenir danos ao desenvolvimento físico e mental de crianças em regiões atingidas pela seca no Chifre da África.

Trabalhando com o Ministério da Educação do Quênia e com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o PMA também está fornecendo merendas escolares para 587 mil alunos no Quênia, onde o governo decidiu manter as escolas abertas mesmo durante as férias.

O PMA também tem trabalhado para enviar alimentos aos necessitados em outras regiões do Chifre da África. A agência entregou 120 toneladas de alimentos especializados e 24 toneladas de biscoitos altamente energéticos na capital somali, Mogadíscio.

Na Etiópia, a distribuição de alimentos foi iniciada em campos de refugiados recém-abertos, que devem abrigar cerca de 15 mil pessoas até o fim do mês. Também serão abertas novas passagens logísticas para enviar suprimentos alimentares do porto de Berbera (Somália) para a Etiópia.

ACNUR lança novo site para a região

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), por sua vez, anunciou o lançamento de um novo site com informações detalhadas e atualizadas sobre os refugiados e deslocados no Chifre da África. O novo site (que pode ser acessado aqui) atuará como um portal para o partilhamento de informações para todos os parceiros operacionais da agência envolvidos na ajuda de emergência.

O ACNUR tem continuado a distribuir ajuda de emergência para os deslocados internos na Somália, alcançando cerca de 30 mil pessoas somente esta semana. Na Etiópia, os esforços estão concentrados para diminuir a alta taxa de mortalidade entre os recém-chegados da Somália. No Djibuti, autoridades estão trabalhando para reabrir um antigo campo de refugiados para abrigar os mais de 3.500 somalis que chegaram esse ano.