ONU homenageia funcionários mortos em acidente da Ethiopian Airlines

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, afirmou que os 21 profissionais da ONU mortos em acidente na Etiópia eram um espelho da Organização. De diferentes países e áreas de atuação, todos eles, disse o dirigente, esforçavam-se dia após dia para construir um mundo melhor.

À esquerda, o chefe da ONU, António Guterres, em cerimônia em Nova Iorque para homenagear as vítimas do acidente da Ethiopian Airlines. Foto: ONU/Manuel Elias

À esquerda, o chefe da ONU, António Guterres, em cerimônia em Nova Iorque para homenagear as vítimas do acidente da Ethiopian Airlines. Foto: ONU/Manuel Elias

Em suas sedes em Nova Iorque e Genebra, a ONU realizou cerimônias para lembrar a memória dos 21 funcionários da Organização que faleceram no acidente da Ethiopian Airlines. Em 10 de março, um avião da companhia aérea caiu logo após decolar de Adis Abeba, capital da Etiópia. A queda da aeronave provocou a morte de todos os 157 passageiros e integrantes da tripulação.

Em homenagem na última sexta-feira (15), o secretário-geral António Guterres afirmou em Nova Iorque que os profissionais da ONU mortos no incidente “eram um espelho das Nações Unidas”, vindos de diferentes países e áreas de expertise.

“Mulheres e homens, alguns no início de suas carreiras, outros se aproximando da aposentadoria, cada um numa missão individual, mas, ao mesmo tempo, juntos, representando nossa missão mais ampla: fazendo a sua parte, em solidariedade a todos nós, para construir um mundo melhor, tijolo por tijolo, conquista por conquista, dia sim, dia não”, disse o dirigente máximo da ONU.

O chefe da Organização chamou todos os funcionários a dar continuidade a essa missão. “Nós nos reunimos na tristeza e em solidariedade aos companheiros membros da família da ONU que faleceram”, afirmou Guterres, que também expressou condolências às outras vítimas do acidente, entre elas, parceiros da sociedade civil e agentes humanitários de outras instituições.

O voo 302 da Ethiopian Airlines, tinha por destino Nairóbi, onde foi realizada ao longo da semana passada a Quarta Assembleia da ONU para o Meio Ambiente.

Em Genebra, o diretor-geral do escritório da ONU na cidade suíça, Michael Møller, afirmou que os funcionários mortos são “nossos heróis”. Segundo o dirigente, a tragédia trouxe consigo a oportunidade para que os profissionais da Organização reflitam sobre por que eles trabalham para as Nações Unidas.

“Gosto de pensar que, acima de tudo, (trabalhamos aqui) por causa da nossa crença compartilhada de que podemos tornar o mundo um lugar melhor. Fazer o nosso trabalho onde quer que possamos fazer a diferença, não importa quão alto for o risco, não importa quão distante estiver a recompensa, não importa até mesmo o quão fraca a esperança possa parecer às vezes”, enfatizou o dirigente.

Møller ressaltou ainda que os colegas serão lembrados por avançarem esse propósito. “Seu legado, sua memória, o exemplo que estabeleceram para todos nós — ninguém será esquecido”, completou o chefe da sede em Genebra.