ONU, governo brasileiro e Rio 2016 vão promover turismo sustentável durante as Olimpíadas

Em visita ao Brasil, o chefe do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente apresentou a campanha Passaporte Verde. A iniciativa oferece sugestões de roteiros e serviços turísticos sustentáveis para reduzir o impacto de viajantes sobre os biomas e comunidades que visitam.

Projeto teve início em 2008 e foi ampliado para atender aos cerca de 1 milhão de turistas que devem chegar ao Rio de Janeiro por conta dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

Foto de capa do vídeo acima: UNIC Rio / Pedro Andrade

Em passagem pelo Rio de Janeiro no sábado (30), o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Achim Steiner, visitou a Floresta da Tijuca para apresentar a campanha Passaporte Verde – uma parceria da agência da ONU e dos Ministérios do Meio Ambiente, Esporte e Turismo para promover o turismo sustentável.

A iniciativa é parte de uma campanha global do PNUMA que oferece sugestões de roteiros, serviços e produtos turísticos sustentáveis.

O objetivo é reduzir o impacto dos viajantes sobre os biomas e comunidades que visitam, com informações sobre opções de transporte público, sobre restaurantes que valorizam alimentos e a culinária locais e sobre estabelecimentos comprometidos em reduzir o consumo de energia e água, o desperdício e a degradação ambiental.

Em 2016, o projeto brasileiro – lançado em 2008 – recebe o apoio do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. A expectativa é de que, ao longo das competições, o projeto conscientize os visitantes sobre as consequências de suas atividades para o meio ambiente.

A ampliação da campanha para as Olimpíadas também conta com a parceria das três pastas do governo federal que já haviam se unido ao PNUMA na consolidação do Passaporte Verde.

Ao lado da presidente do World Wildlife Fund e ex-ministra do Meio Ambiente do Equador, Yolanda Kakabadse, o chefe do PNUMA Achim Steiner conheceu parte da Trilha Transcarioca, roteiro sustentável que passa pelo Parque Nacional da Tijuca. Foto: UNIC Rio de Janeiro / Pedro Andrade

Ao lado da presidente do World Wildlife Fund (WWF) e ex-ministra do Meio Ambiente do Equador, Yolanda Kakabadse, o chefe do PNUMA Achim Steiner conheceu parte da Trilha Transcarioca, roteiro sustentável que passa pelo Parque Nacional da Tijuca. Foto: UNIC Rio de Janeiro / Pedro Andrade

Campanha Passaporte Verde quer promover turismo sustentável no Brasil e no mundo. Iniciativa foi ampliada para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

Campanha Passaporte Verde quer promover turismo sustentável no Brasil e no mundo. Iniciativa foi ampliada para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

“Temos que perceber que mais de um bilhão de pessoas viajam cruzando fronteiras nacionais como turistas todos os anos. Então, se quisermos reduzir a pegada de carbono do turismo, não devemos fingir que as pessoas não vão viajar, não visitarão outros países”, explicou Steiner.

“Nossa tarefa é trabalhar junto à indústria aeronáutica, o setor de transporte e hoteleiro, mas também com o setor de eventos, como nós estamos fazendo aqui no Rio para os Jogos Olímpicos.”

Segundo Steiner, o Passaporte Verde leva informações fundamentais aos turistas que, frequentemente, querem adotar comportamentos sustentáveis, mas não sabem como por não conhecerem o lugar para onde viajam. “É uma oportunidade para cada um fazer a diferença com as decisões (sobre) onde vai comer, os transportes que utilizam, os hotéis que utilizam.”

Também presente no evento, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, ressaltou que o Passaporte Verde traduz “de forma simples e direta” para qualquer cidadão brasileiro e estrangeiro os objetivos da Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável – principalmente o objetivo de nº 12 sobre consumo e produção responsáveis.

Utilizando apenas um aplicativo de celular, qualquer pessoa pode fazer escolhas mais sustentáveis sobre seus padrões de vida, destacou a chefe da pasta.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, também participou da apresentação do Passaporte Verde. Na imagem, ela aparece ao lado do chefe do PNUMA, Achim Steiner. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, também participou da apresentação do Passaporte Verde. Na imagem, ela aparece ao lado do chefe do PNUMA, Achim Steiner. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

“Entre 800 mil e 1 milhão de turistas virão ao Brasil durante os Jogos Olímpicos. São 20 mil atletas, 25 mil jornalistas, são pessoas do mundo inteiro que vêm ver os seus países”, disse o CEO do Comitê Organizador dos Jogos, Sidney Levy.

“A gente espera que muita gente que venha ao Rio vá usar o Passaporte Verde, mas o mais importante é que a iniciativa fique na agenda do Rio de Janeiro para os turistas depois das Olimpíadas.”

Achim Steiner conheceu os funcionários do Parque Nacional da Tijuca que cuidam de parte do roteiro da Trilha Transcarioca. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

Achim Steiner conheceu os funcionários do Parque Nacional da Tijuca que cuidam de parte do roteiro da Trilha Transcarioca. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

Durante o evento, representantes do PNUMA, do Ministério do Meio Ambiente e também das pastas do Esporte e Turismo assinaram uma carta de intenções, em que se comprometem a incentivar o consumo responsável e a estimular práticas de sustentabilidade no setor de turismo. Programas de educação ambiental durante o revezamento da Tocha Olímpica e ao longo dos Jogos também estão previstos pelo acordo.

A representante do Programa da ONU no Brasil, Denise Hamú, destacou que o documento formaliza uma parceria que existe desde a Copa do Mundo de 2014, quando a campanha Passaporte Verde foi ampliada para atender aos turistas que vieram assistir às competições de futebol.

Conheça o Passaporte Verde aqui.

Segundo Hamú, a cooperação entre as Nações Unidas e as pastas do governo federal é fundamental para conscientizar não apenas os visitantes, mas também o setor de turismo, que deve se qualificar para tornar suas cadeias produtivas mais sustentáveis.

Achim Steiner é nomeado cidadão honorário do RJ

Na véspera de sua visita ao Parque Nacional da Tijuca (29), Steiner participou do encerramento do primeiro Congresso Mundial de Direito Ambiental, também na capital fluminense. Durante o evento, o chefe do PNUMA recebeu a Medalha Tiradentes – a mais alta condecoração do estado do Rio de Janeiro – e o título de cidadão honorário do Rio de Janeiro pela Assembleia Legislativa do RJ.

“Apesar de ter nascido no Rio Grande do Sul, meu coração sempre foi carioca. O Rio sempre teve a vocação de enfrentar os desafios para defender o meio ambiente. Essa homenagem é algo inestimável para mim, que vou levar comigo para o resto da minha vida”, afirmou o diretor da agência da ONU.

Steiner lembrou que a capital fluminense sediou, em 2012, a Conferência das Partes – Rio+20 – que deu início a debates robustos sobre uma agenda global de desenvolvimento sustentável. “É (também) por isso que fico tão orgulhoso de ser um cidadão” honorário, disse.

O Congresso reuniu especialistas, juízes e advogados de diferentes partes do mundo – muitos dos quais estiveram presentes na Conferência da ONU sobre mudanças climáticas do ano passado, em Paris – para discutir a criação de novos mecanismos e instituições jurídicas necessárias para proteger o meio ambiente e garantir a adoção de práticas sustentáveis.

Os debates – co-organizados pelo PNUMA – deram origem ao rascunho da primeira Declaração sobre o estado de Direito da Natureza, que busca fortalecer os instrumentos legais capazes de preservar o planeta.

Para o chefe da agência da ONU, leis e regulações que preservam o meio ambiente são capazes de “traduzir as aspirações por um mundo sustentável”, além de garantir justiça, igualdade e responsabilização em situações envolvendo a degradação da natureza.

Steiner alertou que as pessoas buscarão cada vez mais os tribunais para encontrar soluções para problemas ambientais. Segundo o dirigente, as cortes de todo o mundo devem estar prontas para lidar com situações onde direitos e princípios poderão ser ameaçados e postos à prova.

Achim Steiner foi homenageado também pelo Congresso Mundial por suas contribuições ao avanço global das discussões sobre direito ambiental. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

Achim Steiner foi homenageado também pelo Congresso Mundial por suas contribuições ao avanço global das discussões sobre direito ambiental. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

Agenda 2030: ‘Bem-vindos a um novo mundo’

A ministra Izabella Teixeira também participou do encerramento do Congresso Mundial e elogiou o engajamento do chefe do PNUMA, que ocupa o posto há dez anos. A dirigente da pasta destacou que foi durante o mandato de Steiner que o PNUMA abriu um escritório próprio no Brasil.

Ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira também esteve presente no encerramento do Congresso Mundial de Direito Ambiental. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

Ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira também esteve presente no encerramento do Congresso Mundial de Direito Ambiental. Foto: UNIC Rio / Pedro Andrade

Um dos legados importantes do chefe da agência inclui os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, que contaram com sugestões importantes do organismo e dos Estados-membros.

Segundo Texeira, a Agenda 2030 traz para a comunidade internacional a preocupação com o futuro, colocando no centro das políticas a projeção de cenários positivos ou negativos que dependerão dos esforços dos líderes mundiais para se concretizarem.

“Bem-vindos a um novo mundo” em que todos serão cobrados por suas ações daqui em diante, enfatizou a ministra. Teixeira lembrou ainda que a adoção de um ODS dedicado à promoção do consumo e produção conscientes foi uma conquista do Brasil e de outros poucos países que lutaram pelo destaque da pauta nos novos marcos globais das Nações Unidas.