ONU fornece ajuda humanitária a mais de 530 mil pessoas nos países afetados pelo ebola

Centro de distribuição de alimentos em Monróvia, Libéria. Foto: PMA/Rein Skullerud

As agências das Nações Unidas continuam acelerando a resposta ao surto do vírus ebola nos países afetados na África Ocidental, alcançando mais de 530 mil pessoas com assistência alimentar, além de contribuir com cuidados médicos, ajuda psicológica em meio às consequências da doença e o estigma dentro de suas comunidades.

O Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) anunciou nesta quinta-feira (16) que o seu apoio logístico em resposta ao ebola está em “alta velocidade”, principalmente, com a mais recente contribuição da Itália para a Libéria, com um voo transportando 58 toneladas de suprimentos e equipamentos para toda a região afetada.

Além das remessas aéreas, o PMA enviou 7 mil toneladas de arroz por navio, programado para chegar em Serra Leoa até o final da semana, antes de ir para Monróvia, capital da Libéria.

“O mundo está se mobilizando e precisamos alcançar as aldeias mais pequenas nos locais mais remotos”, disse a diretora regional do PMA para a África Ocidental, Denise Brown, destacando que uma equipe de cem trabalhadores da agência da ONU foram mobilizados para apoiar outros 360 ​​trabalhadores que já estão na região.

Avião alemão no Aeroporto Internacional de Kotoka, em Acra, capital de Gana, entregando suprimentos e materiais necessários para os países da África Ocidental afetados pelo vírus Ebola. Foto: UNMEER/Aaron J. Buckley

A Missão da ONU de Emergência para o Ebola (UNMEER), que está apoiando as operações de outras agências do Sistema ONU em resposta ao alastramento da doença, como o PMA e Organização Mundial da Saúde (OMS), saudou nesta quinta-feira (16) a chegada de um avião alemão com suprimentos humanitários, materiais e equipamentos necessários para os países afetados, que incluem materiais para construção de armazéns em Serra Leoa e cinco toneladas de biscoitos energéticos para Guiné.

“Este voo é um reflexo da resposta da comunidade internacional no apoio aos esforços ao surto do ebola e para ajudar as pessoas afetadas por ele. Este apoio é fundamental se quisermos impedir que a propagação do vírus”, disse o chefe da UNMEER, Anthony Banbury. “Eu espero que possamos ver mais disso nos próximos dias e semanas”, acrescentou.

Conselho de Segurança reforça apelo à comunidade internacional para resposta ao ebola

Os membros do Conselho de Segurança da ONU, em um declaração emitida nesta quinta-feira (16), reforçaram o apoio contínuo da ONU para expandir a resposta ao ebola, bem como o apelo aos Países-membros para apoiar a expansão da resposta de forma a abordar a situação política, de segurança e os impactos sociais, econômicos e humanitários nos países afetados.

Além disso, destacou a importância de que todos os Países-membros se preparem para detectar, prevenir, responder, isolar e mitigar os casos suspeitos de ebola dentro e fora de suas fronteiras.

UNICEF destaca os desafios enfrentados pelos sobreviventes da doença

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) anunciou nesta quinta-feira (16) que neste fim de semana irá realizar uma reunião com 35 sobreviventes do ebola, em um dos centros de epidemia de Serra Leoa, para compartilhar suas histórias de superação e discutir a melhor forma de lidar com as consequências psicológicas.

Francis tem 13 anos e perdeu seus pais, sua irmã e sua avó para o ebola em Serra Leoa. Foto: UNICEF/Jo Dunlop

O UNICEF destacou os vários desafios enfrentados pelos sobreviventes nas comunidades como estigma, vergonha e discriminação.

Cerca de 96% dos 1.400 domicílios pesquisados ​​em um estudo recente da agência da ONU relataram alguma atitude discriminatória às pessoas com suspeita ou confirmação do ebola. Além disso, afirmou que as crianças são particularmente mais vulneráveis​​, especialmente quando elas ou seus pais precisam se isolar para tratamento.

A OMS afirmou que, em Serra Leoa, mais de 650 adultos sobreviveram ao ebola desde o início do surto.