ONU fecha parceria com banco brasileiro para facilitar integração financeira de refugiados

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Três agências do Banco do Brasil localizadas no centro de São Paulo terão funcionários treinados especialmente para atender refugiados e facilitar a concessão de microcrédito para essa população. O anúncio da parceria entre a instituição financeira e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) foi feito no sábado (4) e tem como objetivo facilitar a integração financeira de pessoas refugiadas no país.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Três agências do Banco do Brasil localizadas no centro de São Paulo terão funcionários treinados especialmente para atender refugiados e facilitar a concessão de microcrédito para essa população. O anúncio da parceria entre a instituição financeira e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) foi feito no sábado (4) e tem como objetivo facilitar a integração financeira de pessoas refugiadas no país.

A divulgação da iniciativa foi feita durante evento em São Paulo do Inspira BB, movimento que realiza palestras para funcionários da instituição financeira. Sob o tema “O que nos move?”, a última edição do encontro buscou refletir sobre o que estimula as pessoas a realizar projetos e construir novos valores.

As apresentações musicais e os depoimentos sensibilizaram o público e, pela primeira vez, abriram espaço para dar voz e visibilidade à causa do refúgio. A parceria com o ACNUR foi anunciada nesse contexto pelo presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli. “Estamos nos juntando ao ACNUR, Caritas e Compassiva para oferecer esse suporte aos nossos amigos que escolheram o Brasil para viver”, afirmou o executivo.

A representante do ACNUR no Brasil, Isabel Marquez, reconheceu no Inspira BB uma importante oportunidade de promover a integração de pessoas refugiadas. “Estamos muito felizes que essa iniciativa, que busca impulsionar transformações coletivas, tenha dado visibilidade à causa do refúgio e apresentado essa importante parceria” declarou. A agência da ONU espera agora que agências de outras cidades também forneçam serviços voltados para os refugiados.

A refugiada iraquiana Fareeda Khalaf foi uma das pessoas que subiu ao palco para compartilhar sua história. A jovem é yazidi, minoria étnica e religiosa do norte do Iraque, e por esse motivo foi vítima de atos de violência do grupo extremista Estado Islâmico.

Sequestrada em 2014, ela conseguiu fugir e escreveu o livro “The Girl Who Beat ISIS”, ainda sem tradução em português, que revela as atrocidades que viveu enquanto estava sob o domínio do grupo extremista. “Para mim, é muito importante estar neste evento e ter a oportunidade de dar voz a uma minoria religiosa que sofre perseguições e representando milhões de refugiados que enfrentam situações desumanas na luta por uma vida digna”, afirmou.

O evento contou também com a participação de grandes nomes da música brasileira, como Ivan Lins e o maestro João Carlos Martins. Funcionários do Banco do Brasil também subiram ao palco para compartilhar histórias inspiradoras, enquanto o escritor Leonardo Boff ressaltou a importância da solidariedade para a transformação social. Por fim, as crianças refugiadas do Coral Somos Iguais cantaram ao lado do coro formado pelos funcionários da instituição financeira.


Mais notícias de:

Comente

comentários