ONU faz apelo humanitário de US$ 22,2 bilhões para 2017

Relatório Global Humanitário aponta que são necessários 22,2 bilhões de dólares para enviar ajuda humanitária a 93 milhões de pessoas. O anúncio foi feito pelo Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) nesta segunda-feira (5) em Genebra, na Suíça. O valor é recorde e a ONU considera esta a maior crise humanitária desde sua fundação.

Milhares de deslocados do Sudão do Sul – Foto: Rocco Nuri/ACNUR

Milhares de deslocados do Sudão do Sul – Foto: Rocco Nuri/ACNUR

O mundo enfrenta uma crise humanitária que requer 22,2 bilhões de dólares para financiar cerca de 93 milhões de pessoas vulneráveis e marginalizadas em 2017. Segundo a Organização das Nações Unidas, o valor é recorde. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (5) pelo Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), durante lançamento do Relatório Global Humanitário 2017.

“A escala de crise humanitária é a maior (…) desde a fundação das Nações Unidas”, afirmou o subsecretário para Assuntos Humanitários da ONU, Stephen O´Brien. “Nunca tantas pessoas precisaram de apoio e solidariedade para sobreviver e viver com segurança e dignidade.”

O plano de resposta humanitária em 33 países pretende alcançar 93 milhões de pessoas. Globalmente, mais de 128 milhões de pessoas são afetadas por conflitos, deslocamentos, desastres naturais e enorme vulnerabilidade. Conflitos na Síria, Iêmen, Sudão do Sul e Nigéria estão entre os que requerem maiores esforços humanitários, já que provocam deslocamentos entre países e cruzam fronteiras.

O´Brien explicou que o financiamento será utilizado para enviar alimentos a pessoas que estão morrendo de fome na bacia do Lago do Chade e no Sudão do Sul, além de dar proteção para os mais vulneráveis na Síria, Iraque e Iêmen.

De acordo com o relatório, o fenômeno do El Niño fomentou secas, enchentes e condições meteorológicas extremas. “O financiamento ajudará na educação de crianças que tiveram o ensino interrompido pelo El Niño”, explicou O´Brien.

Relatório Global Humanitário 2017

Relatório Global Humanitário 2017

Em 2016, doadores internacionais contribuíram com 11,4 bilhões de dólares, ajudando a aumentar os recursos de 20,1 bilhões para 22,1 bilhões de dólares. No entanto, isto representa apenas 52% do total necessário, já que organizações humanitárias estão chegando ao fim do ano com um déficit de 10,7 bilhões de dólares – o maior já registrado.

“As vidas de milhares de mulheres, meninas, meninos e homens estão em nossas mãos”, afirmou o subsecretário. O apelo de 2017 é baseado nos planos de resposta humanitária para Afeganistão, Burundi, Camarões, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo, Djibuti, Etiópia, Haiti, Iraque, Líbia, Mali, Mianmar, Níger, Nigéria, Palestina, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Síria, Ucrânia e Iêmen.

Outros apelos incluem Burkina Faso, Mauritânia e Senegal. As crises de Burundi, Nigéria, Sudão do Sul e Síria afetam regiões inteiras e países vizinhos estão incluídos nos planos de resposta regionais, totalizando 33 países.