ONU estima que 10 milhões de africanos possam passar fome no Sahel este ano

Coordenador Humanitário Regional afirma que ajuda foi ampliada no Mali, mas que situação ainda é instável. “Temos de estar preparados para a situação piorar.”

Coordenador Humanitário Regional para o Sahel, David Gressly (esq.), em visita a Mopti, Mali, em abril de 2012. Foto: PNUD/Nicolas MeuldersA ajuda humanitária ampliou seu alcance no Mali, mas a situação continua instável, relatou o Coordenador Humanitário Regional da ONU para o Sahel, David Gressly, nesta quarta-feira (6). Cerca de 10 milhões de pessoas na região do Sahel podem passar fome este ano.

“Esta crise no norte [do Mali] está se sobrepondo a uma crise ampla e crônica em todo o Sahel, na qual milhões de pessoas estão sendo afetadas pela insegurança alimentar”, afirmou Gressly em Genebra, na Suíça. “Temos de estar preparados para a situação piorar. Isso não é uma previsão de que vai piorar. Mas precisamos estar preparados para isso.”

A região do Sahel, na África Ocidental, abrange o Mali, assim como Burkina Fasso, Camarões, Chade, Gâmbia, Mauritânia, Níger, Nigéria e Senegal. A comunidade humanitária fez apelo por mais de 1,6 bilhão de dólares para ajudar os milhões de necessitados na região – só no Mali, 500 mil pessoas sofrem com a insegurança alimentar e mais de 4,3 milhões foram afetadas pelo conflito.