ONU estima em mais de cinco mil os mortos em revoltas na Síria

Nas estimativas divulgadas na segunda-feira (12/12), dos 5 mil mortos, 300 seriam crianças. Para a Alta Comissária para os Direitos Humanos, Síria corre risco de guerra civil.

As Nações Unidas estimam que mais de cinco mil civis sírios morreram desde o início das revoltas contra o governo Bashar al-Assad em março desse ano. A Alta Comissária para os Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, disse que pelo menos 300 mortos seriam crianças. As mortes de membros do exército, forças de segurança e grupos aliados ao governo não foram incluídas nas estatísticas.

“Estou horrorizada com o fluxo constante de graves violações que têm ocorrido desde os primeiros protestos na Síria, em março. Estou preocupada que essa repressão contínua implacável e as provocações sectárias, especialmente em Homs, poderão em breve mergulhar a Síria numa guerra civil”, alertou Pillay.

Relatos fornecidos ao Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) indicam o deslocamento de tanques e armas nos últimos dias, a instalação de postos de controle e a escavação de trincheiras nas redondezas de Horms, cidade onde já aconteceram muitas manifestações. Os relatos não foram confirmados, pois o ACNUDH não tem permissão para atuar em território sírio.