ONU encoraja mais mulheres policiais a servir nas Forças de Paz

As Nações Unidas estão se esforçando para aumentar o número de policiais do sexo feminino servindo em suas missões de paz em todo o mundo. As mulheres podem fazer a diferença e ter uma função destacada em algumas áreas, como a violência sexual e de gênero.

Representante da UNPOL, Ann-Marie Orler. Foto: UN.As Nações Unidas estão se esforçando para aumentar o número de policiais do sexo feminino servindo em suas missões de paz em todo o mundo. As mulheres podem fazer a diferença e ter uma função destacada em algumas áreas, como a violência sexual e de gênero, afirmou.

O número de Capacetes Azuis do sexo feminino está subindo e o objetivo é dobrar a proporção de mulheres que fazem parte da Polícia da ONU (UNPOL, na sigla em inglês) para 20% até 2014. Em agosto de 2009, a ONU lançou a campanha “Esforço Global” para aumentar o número de policiais do sexo feminino atuando nas missões de paz. Atualmente, do total do contingente na UNPOL servindo em 17 missões, apenas 8,5% são mulheres.

A Representante da UNPOL Ann-Marie Orler ressaltou a necessidade da ONU em fazer seleções e processos de treinamento mais eficientes, para que policiais do sexo feminino possam se integrar a essas operações. O “Esforço Global” também procura ampliar o número de mulheres em forças policiais nacionais de Estados-Membros.

Bangladesh está tentando recrutar mais 10 mil policiais do sexo feminino nos próximos meses, enquanto a Libéria também estabeleceu a meta de 20% até 2014. A presença de mulheres policiais na Libéria ajudou a aumentar o número de denúncias de casos de violência sexual e de gênero. Além disso, é passada uma imagem positiva da organização quando mulheres são vistas em posições normalmente ocupadas por homens.

O Secretário-Geral Ban Ki-moon também mostrou a relevância da questão ao declarar na semana passada, em um encontro com membros das forças de paz do sexo feminino, a importância de ter mulheres na UNPOL para trazer estabilidade, desenvolvimento e paz para populações se recuperando de conflitos.


Comente

comentários