ONU elogia compromisso do Brasil em participar de pesquisa global sobre AIDS

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em participação numa consulta do Ministério da Saúde organizada para compilar dados sobre HIV e AIDS que serão divulgados internacionalmente, a diretora do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Georgiana Braga-Orillard, elogiou a liderança do Brasil no combate à epidemia. Segundo ela, país deve aproveitar a participação em pesquisas globais para olhar com mais atenção para o contexto brasileiro.

Georgia Braga-Orillard (mais à esquerda) participa da consulta nacional do Ministério da Saúde sobre relatório global de AIDS. Foto: UNAIDS/Jessyca Zaniboni

Georgia Braga-Orillard (mais à esquerda) participa da consulta nacional do Ministério da Saúde sobre relatório global de AIDS. Foto: UNAIDS/Jessyca Zaniboni

O Brasil deve aproveitar a participação em pesquisas globais sobre HIV/AIDS para olhar com mais atenção para o combate à epidemia em território nacional. A recomendação é da diretora do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), Georgiana Braga-Orillard, que participou na terça-feira (28) de uma consulta organizada pelo Ministério da Saúde com a ONU, representantes da sociedade civil, especialistas e coordenações municipais e estaduais.

O objetivo do encontro era discutir a elaboração da contribuição brasileira ao Monitoramento Global da AIDS de 2017. Documento reunirá informações dos 193 Estados-membros da ONU e será divulgado em julho deste ano.

“É um dos relatórios internacionais mais preenchidos no mundo. Temos que agradecer o compromisso do Brasil porque o país empenha um esforço muito grande no preenchimento e na realização dessa consulta”, elogiou Georgiana. “O Brasil tem uma liderança na área do HIV e esse é um momento importante de poder olhar com atenção para o país.”

O mecanismo de acompanhamento deverá apresentar comparações entre os dados de cada país, além de análises que apontam o progresso ou não de cada nação no enfrentamento à epidemia.

“É uma oportunidade de a gente ter uma discussão em nível global. É um momento privilegiado, mas não deveria ser o único. É um convite para fazermos com que essa discussão continue acontecendo regularmente, pois precisamos desse apoio”, acrescentou a diretora do UNAIDS no Brasil.

Durante a abertura do encontro, a diretora do Departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), AIDS e Hepatites Virais do Ministério, Adele Benzaken, falou sobre o processo de aprimoramento do Spectrum, o programa de computador utilizado para produzir as estimativas finais sobre HIV nos relatórios do UNAIDS.

“Eu acho que o fato de terem quantificado o Spectrum para se adaptar a esta realidade de epidemia concentrada (como é o caso do Brasil) deu uma melhorada na forma de se trabalhar alguns dados brasileiros”, explicou.

Adele afirmou ainda que o relatório da agência da ONU “tem bastante peso, pois tem uma parte (do documento) em que toda a sociedade civil, aqui representada, precisa responder”. Segundo o UNAIDS, a participação das pessoas vivendo com HIV na construção do documento também é garantida em todas as etapas.


Mais notícias de:

Comente

comentários