ONU e parceiros precisam de US$ 152 milhões para ajuda humanitária na República Centro-Africana

Cerca de 800 mil pessoas deixaram suas casas em menos de um mês, com metade buscando refúgio na capital, Bangui. Coordenador da ONU pede “ação imediata” para evitar uma “catástrofe humanitária”.

Família deslocada em um campo perto do aeroporto internacional da República Centro-Africana, na capital Bangui, em dezembro de 2013. Foto: OCHA

Família deslocada em um campo perto do aeroporto internacional da República Centro-Africana, na capital Bangui, em dezembro de 2013. Foto: OCHA

As agências da ONU e parceiros humanitários disseram na sexta-feira (27) que são necessários 152 milhões de dólares para atender às necessidades imediatas das pessoas afetadas pela violência em curso na República Centro-Africana (RCA).

Desde o início da violência, no começo de dezembro, cerca de 800 mil pessoas fugiram de suas casas buscando proteção contra os combates, sendo que cerca de metade destas buscaram refúgio em campos improvisados na capital, Bangui. Quase 48% da população precisa desesperadamente de ajuda humanitária.

“Centenas de milhares de pessoas na RCA estão hoje em uma situação humanitária deplorável que exige ação imediata para evitar uma catástrofe humanitária”, disse o coordenador humanitário da ONU no país, Abou Dieng.

O financiamento permitirá que organizações humanitárias ampliem os esforços de emergência ao longo dos próximos três meses, conforme descrito no “Plano de 100 Dias de Ação Humanitária Prioritária” na RCA.

O Plano, que é parte de uma estratégia de resposta mais ampla para o país em 2014, precisa ser implementado agora para fornecer assistência e salvar vidas, bem como implementar programas que garantam a proteção de civis. Alguns desses programas vai se concentrar na criação espaços adequados para mulheres e crianças, onde as pessoas podem se sentir mais seguras e receberem apoio psicossocial, bem como reabilitar as casas para melhorar a segurança para as famílias.

Apesar da insegurança crescente, as organizações de ajuda humanitária continuam a chegar a tantas pessoas quanto é possível. Ao longo das últimas semanas, o Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) alcançou mais de 196 mil pessoas com a ajuda alimentar, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) distribuiu tendas, cobertores e outros suprimentos para famílias deslocadas, e a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estão se certificando de que as crianças estão recebendo, emergencialmente, cuidados de saúde e tratamento nutricional.

“Saúdo a coragem dos trabalhadores humanitários que decidiram ficar lado a lado com o povo da RCA durante este momento difícil”, acrescentou Dieng. “E não há melhor momento do que agora para os doadores e outros para ajudá-los a chegar a todos que precisam.”

Ao longo de 2014, as organizações humanitárias precisam de um total de 247 milhões de dólares para ajudar a fornecer assistência de emergência e apoiar os esforços de recuperação em todo o país. As necessidades de financiamento podem aumentar caso a situação se agrave.