ONU e OPAQ anunciam remoção completa de armas químicas declaradas da Síria

Missão conjunta disse por comunicado que “a tarefa operacionalmente mais desafiadora dentro do esforço de eliminação das armas químicas da Síria chegou ao fim”.

A coordenadora especial da missão conjunta OPAQ-ONU, Sigrid Kaag (segunda à esquerda), inspeciona os preparativos para a eliminação das armas químicas no porto sírio de Latakia, em dezembro de 2013. Foto: Missão Conjunta OPAQ-ONU

A coordenadora especial da missão conjunta OPAQ-ONU, Sigrid Kaag (segunda à esquerda), inspeciona os preparativos para a eliminação das armas químicas no porto sírio de Latakia, em dezembro de 2013. Foto: Missão Conjunta OPAQ-ONU

A Missão Conjunta da ONU e da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) anunciou nesta segunda-feira (23) que o processo de remoção das armas químicas declaradas da Síria está agora completo.

A remoção deste material começou em janeiro deste ano mas, nas últimas semanas, um remanescente de 7,2% das armas químicas permanecia num local de difícil acesso e com poucas condições de segurança.

No entanto, com o acesso a esse local “o total do material de armas químicas declarado que foi destruído ou removido da Síria alcançou os 100%”, afirmou a OPAQ-ONU em comunicado sublinhando que “a tarefa operacionalmente mais desafiadora dentro do esforço de eliminação das armas químicas da Síria chegou ao fim”.

Além da ação da OPAQ-ONU, as autoridades sírias também destruíram os equipamentos de produção, mistura e carregamento das armas, munições e edifícios relacionados à produção.

Assim, a missão conjunta reconheceu “a cooperação construtiva e o comprometimento” demonstrado pelo governo sírio ao longo da operação e também expressou a sua gratidão aos vários Estados-membros que ajudaram na conclusão do programa.