ONU e governo defendem que debate sobre AIDS saia das esferas de especialistas e chegue até a sociedade

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em evento que reuniu em São Paulo, na terça-feira (30), youtubers e ativistas para discussões sobre juventude, direitos e HIV, representantes do governo e especialistas defenderam que o debate sobre a epidemia de AIDS precisa mobilizar a sociedade civil. Encontro foi o primeiro da série de conversas #EseFosseComVocê, uma iniciativa do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Diálogos foram moderados pela jornalista Glória Maria que, no mesmo dia, foi nomeada embaixadora da Boa Vontade da agência da ONU.

Georgiana Braga-Orillard (mais à esquerda) com representantes dos níveis federal, estadual e municipal, da jornalista Glória Maria e da cantora Wanessa Camargo e do ministro conselheiro da Embaixada do Reino Unido no Brasil, Wasim Mir. Foto: UNAIDS Brasil/Rafael Neddermeyer

Georgiana Braga-Orillard (mais à esquerda) com representantes dos níveis federal, estadual e municipal, da jornalista Glória Maria e da cantora Wanessa Camargo e do ministro conselheiro da Embaixada do Reino Unido no Brasil, Wasim Mir. Foto: UNAIDS Brasil/Rafael Neddermeyer

Em evento que reuniu em São Paulo, na terça-feira (30), youtubers e ativistas para discussões sobre juventude, direitos e HIV, representantes do governo e especialistas defenderam que o debate sobre a epidemia de AIDS precisa mobilizar a sociedade civil. Encontro foi o primeiro da série de conversas #EseFosseComVocê, uma iniciativa do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS). Diálogos foram moderados pela jornalista Glória Maria que, no mesmo dia, foi nomeada embaixadora da Boa Vontade da agência da ONU.

Antes das conversas, a diretora do Departamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken, lembrou dos avanços do Brasil contra o HIV. Um dos progressos mais recentes foi a decisão da pasta federal de incorporar o dolutegravir e a profilaxia pré-exposição (PrEP) no Sistema Único de Saúde.

Apesar das conquistas, o preconceito e a discriminação com indivíduos soropositivos perduram, alertou a especialista. “Nesse quesito, artistas, jornalistas, atletas e celebridades têm um papel fundamental, porque eles emprestam sua voz, seu talento, sua beleza e sua arte para formarem opinião e com isso contribuem para mudar essa realidade.”

O objetivo da série de conversas #EseFosseComVocê é inserir os indivíduos na cultura e no universo de quem vive com HIV. Para isso, o UNAIDS aposta nas vozes de pessoas que estão fora dos ambientes de governo, gestão e saúde pública.

“Precisamos levar o debate à sociedade e falar de responsabilidade social, que é complementar e essencial ao que já está sendo feito e é o princípio da iniciativa Zero Discriminação”, explicou a diretora da agência da ONU no Brasil, Georgiana Braga-Orillard.

Também presente no evento, a coordenadora do Programa Municipal de DST/AIDS de São Paulo, Maria Cristina Abbate, apontou que ” “é impossível atuarmos na agenda da prevenção às IST/AIDS sem atuarmos na área da defesa de direitos”.

“É muito importante essa liderança sempre vigorosa do UNAIDS no sentido de trazer esse debate e incluindo pessoas de outros setores que não da saúde, que são muito importantes para amplificar nossa voz de profissionais de saúde e de gestores do serviço público pela questão da intransigência na defesa de direitos humanos”, acrescentou a gestora municipal.


Mais notícias de:

Comente

comentários