ONU e governo brasileiro iniciam atividades para fortalecer o enfrentamento do racismo institucional

O Fundo de População da ONU e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial lançaram uma ação para trabalhar temas de racismo institucional em diversos municípios do Brasil.

 Consultores e consultoras selecionados pela SEPPIR e pelo UNFPA participam de oficina sobre racismo institucional. Foto: UNFPA

Consultores e consultoras selecionados pela SEPPIR e pelo UNFPA participam de oficina sobre racismo institucional. Foto: UNFPA

Nesta semana, iniciou-se a primeira atividade do acordo de cooperação entre o Fundo de População da ONU (UNFPA) e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) para fortalecer as ações de enfrentamento ao racismo institucional. Trata-se da “Oficina de Harmonização de Conceitos e Abordagens sobre Racismo Institucional no Plano Juventude Viva” que capacitou dez consultores para trabalhar como futuros facilitadores de oficinas de identificação e abordagem do racismo institucional em diversos municípios do país.

“Esta atividade e as seguintes estão alinhadas com a diretriz do UNFPA de trabalhar para garantir que todo jovem, toda jovem, alcance o seu pleno potencial. O enfrentamento ao racismo institucional é uma das chaves para que as necessidades de jovens negros e negras estejam refletidas nas políticas públicas”, afirmou a representante auxiliar do UNFPA, Fernanda Lopes.

Segundo o coordenador do Plano Juventude Viva pela SEPPIR, Felipe Freitas, estas oficinas, junto com outras atividades, oferecem aos gestores e administrações de cada município ferramentas para enfrentar o racismo e seus efeitos na sociedade e dentro de suas instituições. 

O evento apresenta o roteiro e metodologia das oficinas que devem ser conduzidas em cada município, bem como sua proposta metodológica; promover harmonização de conceitos e abordagens sobre os temas: direitos humanos, racismo, racismo institucional, preconceito, discriminação, desigualdades, adulto-centrismo e preconceito geracional. Além disso, deve compartilhar informações sobre procedimentos administrativos e a abordar sobre plano Juventude Viva.