ONU e Banco Mundial vão investir US$ 200 milhões em saúde reprodutiva e educação de meninas no Sahel

Meninas e mulheres aguardam no primeiro centro ginecológico do Corredor de Afgoye, na Somália. Foto: ONU/Tobin Jones

As Nações Unidas e o Banco Mundial vão investir 200 milhões de dólares para melhorar a saúde reprodutiva de mulheres e a educação de meninas na região africana do Sahel. O compromisso foi assumido pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e pelo presidente do Grupo Banco Mundial, Jim Yong Kim, na quarta-feira (6).

O Projeto Demográfico e de Empoderamento das Mulheres do Sahel deve melhorar a disponibilidade e a acessibilidade a produtos de saúde reprodutiva e centros de treinamento especializados para o desenvolvimento rural nos serviços de obstetrícia e enfermagem.

Financiado pela Associação do Banco Mundial para o Desenvolvimento Internacional, o novo programa será estreitamente coordenado pelas agências da ONU e outros parceiros.

“À medida que trabalhamos para acabar com a pobreza no mundo em desenvolvimento, sabemos que educar as meninas adolescentes e dar serviços de saúde para as mulheres vai levar a uma maior prosperidade não apenas para as famílias individualmente, mas também para todas as economias”, disse Kim.

O Grupo Banco Mundial vai doar no total 350 milhões de dólares para a iniciativa – incluindo os 200 milhões anunciados na quarta feira e até 100 milhões para o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). A verba do UNFPA será baseada nas solicitações dos países para a área de saúde reprodutiva.

“Alta fertilidade, rápido crescimento populacional e uma grande população de jovens apresentam desafios únicos no Sahel, onde escolhas certas podem melhorar a saúde das mulheres e meninas, diminuir a fertilidade e expandir oportunidades”, disse o diretor executivo do UNFPA, Babatunde Osotimehin.

O Sahel sofreu três grandes secas em menos de uma década. Mais de 11 milhões de pessoas estão correndo risco de passar fome e 5 milhões de crianças menores de cinco anos correm risco de desnutrição aguda.

A instabilidade política e as mudanças inconstitucionais nos Governos tiveram consequências econômicas e sociais significativas na região. Atos terroristas e o crime organizado também têm ameaçado a estabilidade dos países.