ONU destaca ligação entre deslocamentos demográficos e prioridades de desenvolvimento

“O ano de 2015 oferece uma oportunidade única dentro de uma geração para alcançar uma mudança global sem precedentes”, disse o subsecretário-geral da ONU para os Assuntos Econômicos e Sociais, Wu Hongbo

A guarda costeira italiana após um resgate leva os refugiados para o país. Para Wu Hongbo, é preciso criar condições mais "seguras, ordenadas e regulares" para a migração. Foto: AMSA/ACNUR

A guarda costeira italiana após um resgate leva os refugiados para o país. Para Wu Hongbo, é preciso criar condições mais “seguras, ordenadas e regulares” para a migração. Foto: AMSA/ACNUR

Os Estados membros da ONU se reuniram nesta segunda-feira (13) em Nova Iorque para começar a 48ª sessão da Comissão sobre População e Desenvolvimento. Na ocasião, o subsecretário-geral da ONU para os Assuntos Econômicos e Sociais, Wu Hongbo, sublinhou a importância da ligação entre as mudanças populacionais e as prioridades de desenvolvimento atual da Organização .

“O ano de 2015 oferece uma oportunidade única dentro de uma geração para alcançar uma mudança global sem precedentes”, disse Hongbo, no discurso de abertura. “Em nosso mundo de desigualdade gritante e desestabilizadora, onde centenas de milhões de pessoas lutam contra ataques à sua dignidade humana, devemos honrar a nossa promessa de não deixar ninguém para trás”, acrescentou.

Hongbo destacou a necessidade de uma sessão que contribuirá também para a conquista dos direitos e valor individual de cada pessoa em proteger o meio ambiente para as gerações futuras. “A comunidade internacional este ano se esforça para forjar um conjunto de desenvolvimento de metas sustentáveis e um novo acordo climático universal significativo”, disse ele. “Estas prioridades individuais serão influenciadas pelas mudanças demográficas profundas que ocorrem em nosso mundo, especialmente as relacionadas com a juventude, os idosos, urbanização e migração”.

Sore o tema de migrações, ele frisou a necessidade de criação de condições “seguras, ordenadas e regulares”, ao enfatizar que muitos migrantes sofrem exploração, discriminação e xenofobia. “Responder a estas violações dos seus direitos transferirão poderes aos migrantes para que aumentem suas contribuições ao desenvolvimento tantos em seus paíes de origem como de destino.”