ONU destaca direito à verdade para vítimas de violações dos direitos humanos

No Dia Internacional para o Direito à Verdade para as Vítimas de Graves Violações dos Direitos Humanos, observado hoje (24/03), o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, reiterou o direito das vítimas que sofreram graves violações aos direitos humanos e suas famílias de saberem a verdade sobre as circunstâncias que levaram aos crimes e de identificarem os autores dos mesmos.

No Dia Internacional para o Direito à Verdade para as Vítimas de Graves Violações dos Direitos Humanos, observado hoje (24/03), o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, reiterou o direito das vítimas que sofreram graves violações aos direitos humanos e suas famílias de saberem a verdade sobre as circunstâncias que levaram aos crimes e de identificarem os autores dos mesmos.

“Conhecer a verdade faz com que as vítimas e seus familiares encontrem uma forma de
de encerrar os casos, de restaurar sua dignidade e sentir algum alívio por suas perdas”, disse Ban. Ele afirmou ainda que expor a verdade ajuda as sociedades a levarem os autores dos crimes à justiça, e cria também uma rede de histórias, que pode ajudar na reconciliação e na amenização do sofrimento. O Secretário-Geral observou ainda que o Direito à Verdade é agora fornecido pela Convenção Internacional para a Proteção de Todas as Pessoas contra Desaparecimentos Forçados, válida desde dezembro.

Em sua mensagem para marcar a observância deste Dia, a Alta Comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas, Navi Pillay, pediu aos Estados que tomem as medidas apropriadas para dar vigor ao direito à verdade, à justiça e à reparação. Ela disse também que a verdade sobre as graves violações aos direitos humanos, como a tortura, o estupro e o desaparecimento forçado, deve ser trazida à tona através de inquéritos independentes e imparciais.