ONU destaca a importância do setor das TIC na criação de oportunidades para os pobres

Serviços e bens associados a informação e comunicação (TIC) estão criando oportunidades para os menos favorecidos, mas tais fontes de renda são distribuídas desigualmente e nem sempre são sustentáveis, disse a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) em um novo relatório, ontem (14).

Serviços e bens associados a informação e comunicação (TIC) estão criando oportunidades para os menos favorecidos, mas tais fontes de renda são distribuídas desigualmente e nem sempre são sustentáveis, disse a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) em um novo relatório, ontem (14).

Para reforçar os serviços emergentes baseados nas TIC, a agência estimula os formuladores de política nos países em desenvolvimento a tornar o setor das TIC, intitulado Economia de Informação, um componente mais importante em suas estratégias de redução da pobreza.

De acordo com o relatório, a fabricação de equipamentos de TIC apresenta um quadro irregular, no qual apenas alguns países de baixa renda estão amplamente envolvidos. O relatório pede mais estudos sobre os efeitos da produção de telefones celulares, computadores e equipamentos relacionados, para avaliar as vantagens e desvantagens geradas.

O relatório assinala que extensos serviços “offshoring”, tais como programação, tarefas administrativas e processos, postos de trabalho baseados em redes globais de TIC, são ainda limitados aos poucos países em desenvolvimento, e tendem a empregar trabalhadores altamente qualificados. No entanto, várias empresas socialmente conscientes tiveram recentemente algum sucesso na expansão dos serviços de TIC às comunidades rurais, na Índia, por exemplo, resultando em novas oportunidades de geração de renda para algumas pessoas pobres nas áreas rurais. Ele recomenda que os governos considerem políticas que possam incentivar esta tendência.

O relatório também revela que microempresas relacionadas às TIC estão se espalhando rapidamente em muitos países de baixa renda devido às barreiras comerciais relativamente baixas e poderem oferecer empregos às populações com pouca instrução e recursos, pois os custos e as habilidades necessárias são muitas vezes modestos. Tais oportunidades de emprego incluem renovação de celulares, reparo de computadores pessoais e cibercafés.

No entanto, a UNCTAD também salienta que as microempresas de TIC operam normalmente num setor volátil e arriscado, com retornos sobre investimento frequentemente baixos. Além disso, as oportunidades destas microempresas sobreviverem e crescerem são maiores em ambientes urbanos, onde é mais fácil estabelecer relações essenciais com outras empresas, tanto formais como informais. A possibilidade de criação de emprego em longo prazo em torno de tais atividades em áreas rurais parece ser mais limitado.