ONU: Derrubada de avião malaio no leste da Ucrânia pode ser considerado crime de guerra

A chefe da ONU para os direitos humanos, Navi Pillay, pediu que seja feita uma investigação imediata, completa, eficaz, independente e imparcial sobre o incidente de 17 de julho no leste da Ucrânia.

O Boeing 777, do voo MH370, até hoje não foi localizado. Foto: Laurent ERRERA/L’Union, France (Creative Commons)

O Boeing 777, do voo MH370, até hoje não foi localizado. Foto: Laurent ERRERA/L’Union, France (Creative Commons)

“O terrível ataque que derrubou o avião da Malaysia Airlines, em 18 de julho, no leste da Ucrânia, pode ser considerado um crime de guerra”, disse a alta comissária do Escritório das Nações Unidas para os direitos humanos (ACNUDH), Navi Pillay, nesta segunda-feira (28), durante a divulgação do último relatório sobre as disputas, o desrespeito às leis e a violência nesta região na Ucrânia durante o período de 8 de junho a 15 de julho de 2014.

“Eu gostaria de salientar a todos os envolvidos no conflito, incluindo combatentes estrangeiros, que serão feitos todos os esforços para garantir que qualquer pessoa que esteja cometendo graves violações do direito internacional, incluindo crimes de guerra, sejam levados à justiça, não importa quem sejam”, disse Pillay. “Peço a todas as partes para pôr fim ao uso de armas e que restaurem o respeito pelo Estado de direito e os direitos humanos”, acrescentou
  
Apesar do incidente da queda do avião não constar no novo relatório, pois este ocorreu depois do fechamento do documento, Pillay pediu que seja feita uma investigação imediata, completa, eficaz, independente e imparcial. Em contrapartida, o Conselho de Segurança da ONU também pediu uma investigação internacional sobre o incidente e exigiu que os grupos armados permitam o acesso irrestrito ao local e garanta que a sua integridade seja mantida.