ONU declara Libéria livre do ebola

Há 42 dias não são detectados novos casos da infeção, indicador que o ciclo terminou no país. Ao todo, 10.564 pessoas foram infectadas pelo vírus na Libéria; 4.716 pessoas morreram.

Equipe de cuidado de pacientes de ebola em um centro de tratamento administrado pelos Médicos Sem Fronteira em Monróvia, Libéria. Foto: UNMEER/Simon Ruf

Equipe de cuidado de pacientes de ebola em um centro de tratamento administrado pelos Médicos Sem Fronteira em Monróvia, Libéria. Foto: UNMEER/Simon Ruf

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a Libéria livre do vírus do ebola, já que 42 dias transcorreram desde o enterro da última pessoa confirmada com a doença. A agência ressaltou que essa conquista é “monumental” para o país que vivenciou o maior número de mortes e o surto mais complexo e longo de ebola, desde a primeira vez que o vírus foi detectado, em 1976.

Após a morte da última paciente com o vírus do ebola, em 27 de março, agentes de saúde continuaram monitorando a situação no país. Durante o mês de abril, os cinco laboratórios dedicados a esta tarefa realizaram cerca de 300 testes por semana, com todos os resultados negativos.

Apesar da confiança que o ciclo de transmissão da doença na Libéria chegou ao fim, a OMS continua com o alerta de vigilância do surto nos países vizinhos Guiné e Serra Leoa, principalmente om o alto risco de pessoas infectadas cruzarem as fronteiras extremamente porosas entre as três nações.  A agência da ONU continuará também mantendo a presença de profissionais qualificados na Libéria para o monitorar a situação, atender os casos importados de outros países e ajudar na recuperação dos serviços de saúde essenciais.

Ao todo, 10.564 pessoas foram infectadas pelo vírus ebola na Libéria e 4.716 perderam suas vidas.