ONU convoca investigação imediata após morte de adolescentes palestinos na Cisjordânia

Os primeiros resultados da investigação feita por uma equipe da ONU revelam que as mortes envolvem o uso excessivo de força por parte das forças de segurança israelenses.

Soldados israelenses inspecionam o carro de um palestino na Cisjordânia. Foto: IRIN/Kobi Wolf

Após um recente incidente envolvendo a morte de dois adolescentes palestinos na Cisjordânia, a alta comissária da ONU para os direitos humanos, Navi Pillay, expressou “sérias preocupações” em relação a este caso nesta sexta-feira (23). Segundo os resultados iniciais da equipe de investigação do Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH), as mortes ocorrem em meio a uma série de incidentes envolvendo o uso excessivo de força por parte das forças de segurança israelenses na Cisjordânia.

Soldados israelenses supostamente atiraram e mataram os dois adolescentes palestinos – com idades entre 16 e 17 anos – que estavam participando de uma manifestação em Beituniya no dia 15 de maio. Os resultados da investigação indicam que os adolescentes não apresentaram ameaça direta no momento em que eles foram mortos.

“As mortes podem ser consideradas execuções extrajudiciais nos termos da legislação de direitos humanos, bem como mortes intencionais no âmbito do direito internacional humanitário”, disse Pillay, acrescentando que qualquer uso da força por parte das forças de segurança israelenses deve estar de acordo com os Princípios Básicos sobre o Uso da Força e Armas de Fogo. Ela também pediu a Israel que torne público os resultados desta investigação e qualquer decisão tomada em relação ao caso.